NOTÍCIAS
08/10/2014 15:43 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:03 -02

Tripulantes de aearonave flagrados com dinheiro vivo em aeroporto de Brasília podem ter ligações com o PT

Um empresário de Brasília com negócios no governo federal e um colaborador da campanha vitoriosa do petista Fernando Pimentel, eleito governador de Minas, foram flagrados nesta terça (7) com R$ 116 mil em dinheiro vivo no aeroporto da capital federal. Andar com qualquer quantidade de moeda nacional não é crime, mas quem carrega o dinheiro precisa comprovar sua origem.

Vinda de BH, a aeronave foi abordada ainda na pista de pouso. Uma denúncia anônima levou os policiais a fazerem o flagrante. Os três ocupantes do avião, registrado em nome de uma empresa de participações, foram levados até a Superintendência da PF em Brasília para prestar esclarecimentos.

Segundo a Folha, um dos três ocupantes do avião era o empresário Benedito Rodrigues de Oliveira Neto, que durante a campanha de Dilma Rousseff à Presidência em 2010 foi acusado de estar envolvido na produção de dossiês contra o tucano José Serra, adversário do PT naquela eleição.

De acordo com a revista Veja, Bené (como é conhecido) é sócio de duas empresas, a Gráfica Brasil e a Dialog Eventos, que faturaram R$ 214 milhões durante os dois mandatos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A Gráfica Brasil teria recebido mais R$ 109,6 milhões no governo Dilma, segundo a Veja.

O segundo ocupante do avião era Marcier Trombiere Moreira, que trabalhou na campanha de Fernando Pimentel ao Governo de Minas Gerais neste ano. Pimentel, ex-ministro de Desenvolvimento da presidente Dilma Rousseff, foi eleito no primeiro turno, encerrando 12 anos de domínio do PSDB na política mineira. Segundo o Estadão Conteúdo, a assessoria do governador eleito deve divulgar uma nota sobre o assunto.

Marcier Moreira também trabalhou como assessor do Ministério das Cidades até julho, quando se licenciou para participar da campanha de Pimentel.

Uma terceira pessoa, possivelmente o piloto do avião, também foi detida. Todos foram liberados à noite, após prestar depoimento.

Segundo a Veja, Benedito atuou como uma espécie de tesoureiro informal da campanha de Dilma em 2010 e também era responsável pela logística da estrutura montada em Brasíia para a campanha presidencial. O coordenador da primeira campanha de Dilma foi justamente Fernando Pimentel.

A Polícia Federal abriu inquérito para apurar a origem do dinheiro.

(Com Estadão Conteúdo)