NOTÍCIAS
08/10/2014 16:45 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:03 -02

Luciana Genro diz que PSOL está neutro no segundo turno, mas recomenda não votar em Aécio Neves

NELSON ANTOINE/FRAME/ESTADÃO CONTEÚDO

O PSOL não vai apoiar nenhum dos candidatos à Presidência no segundo turno, segundo nota divulgada nesta quarta-feira (8), após reunião entre lideranças do partido.

De acordo com o blog Vio Mundo, Luciana estaria estudando a possibilidade de apoiar a presidente e candidata à reeleição Dilma Rousseff (PT), mas, em nota, divulgada hoje, a equipe desmentiu os boatos.

“É preciso também afirmar que, diante do que foi o seu governo e sua campanha eleitoral, Dilma está distante do desejo de mudanças que tomou as ruas no ano passado”, disse.

O texto ainda destaca que as ações do PT vão contra os ideais defendidos pelo grupo de Luciana Genro.

“Seu governo atuou contra as bandeiras mais destacadas de nossa campanha, como a taxação das grandes fortunas, a revolução tributária que taxe os mais os ricos e menos os trabalhadores, a auditoria da dívida pública, contra a terceirização e a precarização das relações de trabalho, fim do fator previdenciário, a criminalização da homofobia e a defesa do casamento civil igualitário”, complementa o texto.

Sobre um possível apoio ao candidato Aécio Neves (PSDB), descartado desde o início por Luciana Genro, o partido ressalta que a candidatura do tucano representa os direitos das classes mais abastadas do país.

“O jeito tucano de governar, baseado na defesa das elites econômicas e nas privatizações, com a corrupção daí decorrente, significa um verdadeiro retrocesso”, destaca a mensagem.

O PSOL também indicou que seus eleitores não devem apoiar Aécio, citando, ainda, a criminalização de movimentos populares feita pelo governador de São Paulo.

"A criminalização das mobilizações populares e dos pobres empreendida pelos governos tucanos, em especial o de Alckmin, nos coloca em oposição frontal ao projeto do PSDB e aliados de direita. Assim, recomendamos que os eleitores do PSOL não votem em Aécio Neves no segundo turno das eleições presidenciais", conclui o partido.

Sobrou até para Marina

Embora Marina Silva (PSB) não tenha admitido, publicamente, apoio à candidatura de Aécio, o diretório do PSB de Pernambuco e alguns candidatos da coligação sinalizaram apoio ao tucano.

A provável aliança da ex-senadora com o candidato também foi alvo de críticas.

“A provável capitulação de Marina Silva à candidatura tucana demonstra a sua incapacidade de representar legitimamente o desejo de mudanças expresso nas ruas e comprova que a “nova política” não pode ser um atributo daqueles que aderem tão rapidamente ao retrocesso”, declarou o partido.

Na nota, o PSOL ainda agradeceu aos 1.612.186 votos nos candidatos do partido, ressaltando que eles conseguiram dobrar a representação parlamentar, alcançando cinco deputados federais e doze deputados estaduais.

LEIA MAIS:

- PT pode alterar programa de governo para atrair apoio de Marina Silva à Dilma Rousseff no segundo turno

- Aécio Neves reafirma apoio ao fim da reeleição, mas não diz se já valeria pra ele caso eleito