NOTÍCIAS
06/10/2014 20:02 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:03 -02

Winona Ryder, a modelo da Victoria's Secret Erin Heatherton e outras celebridades estão em novo vazamento de fotos íntimas

Getty Images
NEW YORK, NY - APRIL 08: Actress Winona Ryder attends the 'Disconnect' New York Special Screening at SVA Theater on April 8, 2013 in New York City. (Photo by Cindy Ord/Getty Images)

Novamente, fotos de celebridades nuas foram despejadas na internet. A nova coleção de imagens marca o quarto evento do que ficou conhecido pelo abominável nome de 'The Fappening' — as primeiras ocorrências foram nos dias 31 de agosto, 20 de setembro e 26 de setembro.

LEIA TAMBÉM

- Sem roupa: Fotos de Jennifer Lawrence e outras celebridades dos EUA vazam na internet

- Invasão de privacidade: Hackers divulgam supostas fotos de Kim Kardashian e mais famosas nuas

- Jennifer Lawrence, Anna Kendrick e outras celebridades têm fotos íntimas vazadas na internet

- Kaley Cuoco, a Penny do seriado The Big Bang Theory, posa "nua" no Instagram para provocar hacker

De acordo com o jornal britânico The Mirror, entre as vítimas deste lote estão a atriz Winona Ryder, a modelo da Victoria’s Secret Erin Heatherton e a cantora Ingrid Michaelso. E, desta vez, há também um homem no pacote: Nick Hogan, o filho do lutador Hulk Hogan, de 24 anos.

As fotos de Nick teriam sido tiradas quando ele estava no colegial, segundo o site americano TMZ, que data da última quinta-feira (2) o aparecimento das primeiras fotos desta nova leva, o quarto episódio daquele que já é considerado o maior vazamento de fotos íntimas de celebridades da história. Em algumas imagens, quem aparece é a mãe de Nick, Linda, de tanga. O garoto nega que as imagens estivessem armazenadas em sua conta no iCloud, plataforma que vem sofrendo invasão de hackers, e sustenta que as fotos mais comprometedoras não são dele, na verdade.

Como possivelmente operavam os hackers

Especula-se que, para obter as fotos, o hacker (ou os hackers) tenha invadido contas de iCloud pelo método conhecido como "ibrute". O ibrute possibilita um tipo de ataque que consiste em tentativas de descoberta de logins e senhas por meio de tentativas múltiplas, de maneira manual ou automatizada. Ele poderia permitir que hackers acessassem os dados de iCloud de usuários ao explorar uma brecha no serviço da Apple Find My iPhone, de acordo com a Engadget.

Ou seja, qualquer um que quisesse invadir o iCloud de alguém poderia digitar repetidamente uma grande quantidade de senhas sem o receio de ser travado do lado de fora, segundo artigo do The Next Web.

A Apple nega, mas sabia da falha

No dia 2 de setembro — dois dias depois do primeiro grande vazamento —, a Apple soltou um comunicado negando falhas no sistema:

"Depois de mais de 40 horas de investigação, descobrimos que algumas contas de celebridades foram comprometidas devido a um ataque especificamente dirigido aos nomes de usuários, senhas e perguntas de segurança, prática bastante comum na internet. Em nenhum dos casos investigados constatou-se quebra em qualquer sistema da Apple, incluindo iCloud ou Find My iPhone. Continuamos o trabalho conjunto às autoridades para ajudar a identificar os criminosos envolvidos."

Apesar de negar falhas, especialistas acreditam que a Apple tenha feito correções no iCloud para eliminar o bug. Inclusive, alguns afirmam que a Apple conhecia a falha no iCloud seis meses antes do primeiro vazamento.

Em 24 de setembro, o Daily Dot divulgou correspondências entre a Apple e um pesquisador de segurança, Ibrahim Balic. Balic escreveu à companhia para informá-los a respeito da falha de segurança no iCloud. A troca de mensagens começou em março deste ano e, em maio, Balic percebeu que nada havia sido feito pela Apple para consertar o problema.

O Google na mira

Na última semana, um escritório de advocacia de Hollywood afirmou que iria processar o Google em mais de 100 milhões de dólares por ter falhado em remover as imagens de sites como YouTube e Blogspot e por facilitar a hospedagem de endereços virtuais que continham as fotos roubadas.

(Com informações da VEJA)