COMPORTAMENTO
02/10/2014 15:05 -03 | Atualizado 26/01/2017 20:57 -02

Facebook pede desculpas após censurar perfis, e muda política que proíbe nomes de Drag Queens

Thinkstock

Na última quarta-feira (1) o Facebook pediu desculpas por ter uma política que não permite o uso de nomes de drag queens e afirmou que criará novas ferramentas de autenticação para membros da comunidade LGBT para evitar que elas sejam consideradas falsas e apagadas da rede social.

O chefe de produtos do Facebook, Christopher Cox, se retratou em um post publicado em sua timeline, e disse que os usuários afetados, a partir de agora, terão suas contas normalizadas e podem usar seus apelidos.


A maior rede de mídia social do mundo havia bloqueado um grande número de contas nas últimas semanas, em sua maioria de lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros que usavam nomes "fantasia" em seus perfis.

Em seu texto, Cox ainda negou que a política da empresa exigia que usuários utilizassem seus nomes reais.

"O espírito da nossa política é que todo mundo no Facebook use o nome autêntico utilizado na vida real. Para a irmã Roma, ele é irmã Roma. Para Lil Miss Hot Mess, este é Lil Miss Hot Mess."

Drag Queens de São Francisco (EUA), e um parlamentar da cidade já entrado em contato com representantes do Facebook em setembro para exigir que o site mudasse sua política de proibir os usuários de usarem apelidos online.

Um caminho a percorrer

Durante os últimos dias, o Facebook reforçou seus esforços para conseguir que todos os usuários se identifiquem por meio de seus nomes reais, algo que tenta desde seu começo, com a intenção de tornar a rede social um lugar mais "transparente" e no qua ninguém se esconda atrás do anonimato.

Ainda não se sabe quais serão as mudanças e qual será a nova política do Facebook em relação ao uso de nomes oficiais ou "não-oficiais" na rede social.

Segundo a agência de notícias Reuters, o debate sobre o futuro do anonimato online é turvo nos círculos de tecnologia e o seu resultado terá profundas implicações para o uso da Internet em todo o mundo. Em julho, o Google removeu restrições ao uso de apelidos em sua rede social, o Google+, curvando-se às exigências dos usuários por privacidade.

(Com informações da Agência Reuters)