NOTÍCIAS
02/10/2014 09:36 -03 | Atualizado 26/01/2017 20:57 -02

Em discurso, Cristina Kirchner diz que, se algo acontecer a ela, argentinos devem 'olhar para o norte', em referência aos EUA

Marcos Brindicci / Reuters

Políticos de oposição na Argentina reagiram ao discurso confuso e paranoico da presidente Cristina Kirchner proferido na noite de terça-feira (30). Ela afirmou que os Estados Unidos podem estar por trás de um complô para derrubá-la ou até mesmo matá-la.

Mais sensatos, os opositores dizem que a mandatária "perdeu a noção da realidade".

"Como ela não aguenta a realidade, com desemprego, inflação galopante, dólar nas alturas, ela resolve falar que não é mais o Estado Islâmico que quer matá-la, mas os EUA", disse Elisa Carrió, pré-candidata presidencial da coalizão oposicionista Unen, em declaração reproduzida pelo jornal The Guardian.

A deputada Laura Alonso, da Unión PRO, disse que a presidente “entrou numa fase delirante, o que é grave em termos políticos e institucionais". Acrescentou que, nesse ritmo, o delírio de Cristina pode chegar ao de Nicolás Maduro, o presidente da Venezuela que também aponta para o inimigo externo, os Estados Unidos, em uma tentativa de desviar o foco dos problemas internos.

Os opositores relacionaram a fala da presidente aos embates da Argentina com Justiça americana sobre o não pagamento da dívida. As divergências sobre os chamados ‘fundos abutres’ levaram o governo argentino a ficar perto de expulsar o embaixador americano Kevin Sullivan depois de ele dizer a um jornal local que era importante para a Argentina resolver o default.

No discurso, que foi transmitido em rede nacional, Cristina disse: “Se algo acontecer comigo, não olhem para o Oriente Médio, olhem para o norte", relacionando ao suposto complô banqueiros e empresários que contam com ajuda externa.

Em outro momento, provocou ao dizer que “talvez decidam prendê-la da próxima vez que for a Nova York”. Antes do discurso, ela havia afirmado que recebeu ameaças dos terroristas do Estado Islâmico devido à sua amizade com o papa Francisco.

Depois do discurso, a hashtag 'se algo me acontecer' passou a ser usada por argentinos nas redes sociais como fonte de piadas.

Em 2010, a então secretária de Estado Hillary Clinton questionou a saúde mental da presidente argentina. Telegramas vazados pelo Wikileaks revelaram que Hillary perguntou se a presidente "estava tomando medicação" e se a capacidade de julgamento da mandatária estaria sendo afetada pelo estresse.

via: