NOTÍCIAS
01/10/2014 12:25 -03 | Atualizado 26/01/2017 20:57 -02

Levy Fidelix diz ter direito de dizer o que pensa sobre homossexualidade, ameaça processar Luciana Genro e quer OAB neutra

MÁRCIO FERNANDES/ESTADÃO CONTEÚDO

O candidato do PRTB à Presidência, Levy Fidelix, disse nesta terça-feira, 30, que "não corre do pau" e continua mantendo a posição a respeito do casamento gay defendida por ele durante o debate realizado pela TV Record no domingo. Em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo, no entanto, afirmou que se for perguntado sobre o mesmo assunto no debate de quinta à noite, na Rede Globo, vai evitar fazer comentários.

"Eu não vou entrar nessa armadilha orquestrada pela Luciana Genro (candidata do PSOL que fez a pergunta a Fidelix) no próximo debate, e só vou discutir questões sociais e econômicas. A minha opinião já foi dada", afirmou.

Fidelix, que passou o dia sem sair do seu comitê em São Paulo, negou que tenha cometido homofobia e disse que agiu em defesa da família. "A minha posição é a mesma, não é nada de homofobia. Ao contrário, defendo a posição do pai, da mãe, da família tradicional. E nem por isso é discriminação", disse.Ele repetiu por diversas vezes que não é contra os gays e que, inclusive, já contratou funcionários homossexuais. "Eu já tive aqui no partido um rapaz que tinha essa 'característica'. Dei carinho, afeto e nunca deixei fazerem bullying com ele", explicou o candidato. "Ninguém escutou nenhuma palavra minha dizendo: vamos bater, agredir os gays. Sou contra isso e defendo respeito para todos. Quem incitou isso foi a Luciana Genro", acusou. 'Jogo pesado'O episódio ocorreu no domingo à noite, já nos minutos finais do debate na TV Record. Luciana Genro lhe pediu que se definisse a respeito do casamento homoafetivo. Ele assumiu uma expressão séria e afirmou: "Jogo pesado, esse aí agora. Nesse, jamais eu poderia entrar."

E prosseguiu afirmando que "união do mesmo sexo não cria filho" e que "aparelho excretor não reproduz" - frase recebida, na plateia, com surpresa e, para alguns, com indignação. Também afirmou que a população poderia diminuir se as uniões homossexuais prosperassem. "O Brasil tem 200 milhões de habitantes, daqui a pouquinho vai reduzir para 100."Ontem, Fidelix foi procurado pelo deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) e pelo pastor Silas Malafaia, que lhe levaram solidariedade e apoio. ProcessoO candidato do PRTB disse que já se reuniu com seus advogados e vai processar Luciana Genro (PSOL) por injúrias cometidas contra o seu nome. "Vou processar a o PSOL pela injúria que cometeu comigo e pela apologia às drogas que eles fazem. A melhor defesa é o ataque. E eu vou pro ataque". Fidelix afirmou também que as entidades que moveram ações contra ele por causa das declarações que fez são pagas com dinheiro público. Além disso, acusou o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Marcus Vinicius Coelho, de instrumentalizar o órgão que, segundo disse, deveria ser imparcial no episódio."Acho que ele (Marcus Vinicius Coelho) está instrumentalizando o órgão que deveria ser imparcial e não assumir uma postura contra a democracia. Ele está defendo um segmento que está se sentindo ofendido e está tentando me emparedar", disse o candidato."Estou defendendo a legitimidade de expressão. Eu não concordo com a questão homoafetiva. Ainda mais com essa forma a que eles se propõem, de fazer isso em público. Essas demonstrações de carinho poderiam ser feitas na intimidade."Quando perguntando sobre o que ele faria se um filho seu ou algum familiar fosse homossexual, Fidelix se manteve em silêncio e, no fim, se limitou a dizer: "Esse assunto está esgotado pra mim. Não quero mais pensar sobre isso". As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.