NOTÍCIAS
29/09/2014 10:31 -03 | Atualizado 26/01/2017 20:57 -02

Diante de ataques de coalizão liderada pelos EUA, Estado Islâmico adota novas estratégias no norte do Iraque

AP Photo

Os jihadistas do Estado Islâmico (EI) adotaram novos estratagemas no norte do Iraque depois que os Estados Unidos passaram a bombardear alvos do grupo. Entre as medidas estão a troca dos chamativos comboios de caminhonetes por discretas motocicletas com o intuito de despistar os aviões. Testemunhas também afirmaram que os terroristas têm "plantado" bandeiras negras, uma das marcas do grupo, em casas de civis para criar confusão e atrair as aeronaves para falsos alvos.

Os jihadistas também passaram a andar em grupos menores, diminuíram o número de postos de controle em estradas e têm feito menos uso de telefones celulares.

LEIA TAMBÉM:

- Com câmera escondida, mulher registra cenas impressionantes em cidade sitiada pelo Estado Islâmico

- Em resposta à selvageria do Estado Islâmico, Conselho de Segurança da ONU aprova nova resolução antiterror

Um chefe tribal de um vilarejo ao sul de Kirkuk afirmou que os jihadistas "abandonaram seu principal quartel-general no vilarejo" quando ouviram que a campanha aérea seria estendida para a região. "Eles pegaram toda a mobília, os veículos e as armas. Depois, colocaram bombas na estrada e destruíram o prédio", disse o chefe tribal, que não quis ser identificado. "Eles não se movimentam mais em comboios militares como antes. Em vez disso, eles usam motocicletas, bicicletas e, se necessário, carros camuflados", disse.

Outras testemunhas relataram que, embora os ataques ainda não tenham atingido o Estado Islâmico de maneira decisiva, eles, pelo menos, reduziram a barbárie imposta pelo grupo nas áreas sob seu controle. "Eles [os jihadistas] executavam pessoas como quem bebe água. Agora os ataques aéreos diminuíram o ritmo deles". disse o chefe tribal iraquiano Sheikh Anwar al-Assy al-Obeidi.

Nos últimos dias, a campanha aérea liderada pelos EUA, que também conta com a participação da França e de diversos Estados Árabes tem sido intensificada no Iraque e na Síria. Nesta semana, a coalizão atingiu refinarias "portáteis" do Estado Islâmico que são usadas para refinar petróleo roubado de campos na Síria. Nos próximos dias a Grã-Bretanha deve se juntar à coalizão e passar a atuar no Iraque – o país descartou fazer ataques na Síria.

Ataques

As forças militares dos EUA efetuaram dez novos ataques entre quinta-feira e esta sexta-feira contra bases do grupo EI no Iraque e na Síria, informaram fontes.

A nova ofensiva contou com a participação de caças, bombardeiros e aviões não tripulados, explicou o Comando Central dos EUA, em comunicado. No Iraque, cinco ataques no sul e no sudoeste da cidade de Kirkuk destruíram três veículos multiuso, duas viaturas armadas e danificaram um blindado do EI.

Além disso, no oeste de Bagdá, outra ofensiva destruiu um bunker, um refúgio e um veículo armado. Por último, perto da cidade de Al Qaim, 400 quilômetros ao noroeste da capital, foram destruídos quatro veículos armados, um centro de controle e outro de comando. Na Síria, três ataques destruíram quatro tanques de petróleo e danificaram outro ao sul de Dayr Az Zawr, no noroeste da Síria.

Segundo o Comando Central todas as aeronaves abandonaram as zonas de ataque “com segurança”. Até o momento, as forças armadas americanas realizaram mais de 200 ataques aéreos contra o Estado Islâmico em todo o Iraque.

Com informações da Reuters

via: