NOTÍCIAS
26/09/2014 21:20 -03 | Atualizado 26/01/2017 20:57 -02

Polícia do Vaticano encontra 100 mil arquivos de pedofilia em computador de embaixador papal acusado de prostituição infantil

Nesta terça (26), o monsenhor Jozef Wesolowski foi detido sob suspeita de pagar para fazer sexo com crianças. Mas de acordo com informações do jornal Corriere Della Sera, a promotoria não terá nenhuma dificuldade em comprovar suas acusações.

De acordo com o jornal, a polícia do Vaticano achou mais de 100 mil arquivos, entre fotos e vídeos, de pornografia infantil no laptop do religioso, que era núncio (espécie de embaixador do Vaticano) na República Dominicana.

O material erótico era separado em pastas de acordo com o gênero das crianças.

Além de imagens baixadas da internet, havia entre os arquivos diversas fotos que as próprias vítimas teriam sido obrigadas a tirar.

Leia também: Papa Francisco destitui bispo acusado de proteger padre abusador

As imagens trazem garotos entre treze e dezessete anos que, segundo o jornal italiano, teriam sido forçados a manter relações sexuais entre si e com adultos.

De acordo com a publicação, mais de 130 vídeos e quase 90 mil fotografias estavam armazenadas no HD do computador examinado pelos peritos. 45 mil imagens tinham sido apagadas antes da perícia.

A equipe de investigação suspeita que o ex-núncio tenha conexões com uma rede internacional de pedofilia, já que uma série de emails indica que o acusado se comunicava regularmente com outros pedófilos.

Ao menos três testemunhas afirmaram ter sido violentadas por Wesolowski. O núncio aguarda julgamento em prisão domiciliar por motivos de saúde.

À agência Reuters, o Vaticano declarou que a prisão refletiu os desejos do Papa Francisco de que casos como esse fossem tratados "com o rigor necessário e sem demora".