NOTÍCIAS
25/09/2014 11:42 -03 | Atualizado 26/01/2017 20:57 -02

Sou a ficha mais limpa de SP, diz Maluf a amigos

FABRICIO BOMJARDIM/BRAZIL PHOTO PRESS/ESTADÃO CONT

Orientado por seu corpo de advogados a não conceder entrevistas, até que a pendência eleitoral tenha fim e todos os recursos esgotados, o deputado Paulo Maluf (PP-SP) disse a interlocutores nesta quarta feira (24), que recebeu mais de 60 ligações em seu celular, segundo ele manifestações de solidariedade, "de gente irritada (com a decisão que pode afastá-lo da disputa eleitoral), inclusive de gente importante".

"Tenho a consciência que eu sou a ficha mais limpa da cidade de São Paulo", ele disse a um velho conhecido. "Quando ando pela cidade me orgulho das obras que eu fiz."

Ele planeja novas carreatas até as eleições. Nessa quinta-feira (25), vai às ruas em uma carreata pela região do Brás, na capital paulista, e estima que no próximo dia 5 de outubro poderá repetir a performance das eleições de 2010, quando recebeu quase 500 mil votos. "Perdi para o Tiririca", comentou com um outro conhecido. "Pelas ruas de São Paulo onde passo em carreata eu vejo a gratidão por tudo o que está acontecendo no Brasil, o pessoal reconhece hoje que quem trabalhou muito por São Paulo foi Paulo Maluf."

A um outro interlocutor ele demonstra inconformismo com o fato de ter sido condenado por improbidade. "Esse túnel (Ayrton Senna) tem mais de 18 anos, passa debaixo do lago do Ibirapuera e nunca caiu uma única gota. Devo me arrepender de ter construído?"

Recurso

Procurador pela reportagem, Maluf não deu retorno. A assessoria de sua campanha, contudo, divulgou nota afirmando que ele vai apresentar recurso interno ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contra a decisão da Corte que na terça, vetou sua candidatura à reeleição para a Câmara.

Por quatro votos a três, o TSE aplicou a Lei da Ficha Limpa para impedir a candidatura de Maluf, que, em dezembro de 2013, foi condenado por improbidade administrativa - quando prefeito de São Paulo (1993-1996), ele autorizou a construção do túnel Ayrton Senna, obra superfaturada, segundo­ o Ministério Público Estadual

TSE nega recurso de Paulo Maluf e barra candidatura a deputado federal com base na Lei da Ficha Limpa

Na nota, os advogados do parlamentar afirmam que vão entrar com recurso "pleiteando esclarecimentos sobre pontos controvertidos contidos na decisão acerca da sua candidatura a deputado federal".

"Enquanto isso o deputado está autorizado a continuar com sua campanha eleitoral, aparecendo no horário eleitoral gratuito no rádio e na televisão e a fazer campanha nas ruas", diz a nota, subscrita pelos advogados Eduardo Nobre e Patrícia Rios e por seu assessor de imprensa, Adilson Laranjeira.

"Por força do referido recurso a questão permanece sub judice, o que autoriza a candidatura do sr. Paulo Maluf à deputado federal, conforme o artigo 16-A da Lei Federal número 9.504 e artigo 17 da Resolução 23.404 do TSE", assinala o texto.

O artigo 17 dispõe que "o candidato cujo registro esteja sub judice poderá efetuar todos os atos relativos à sua campanha eleitoral, inclusive utilizar o horário eleitoral gratuito para a sua propaganda, no rádio e televisão".

Mais uma derrota na Justiça

O deputado Paulo Maluf (PP-SP) sofreu outro revés na Justiça. Réu em ação de improbidade por suposto desvio de US$ 344 milhões do Tesouro e remessa de valores para paraísos fiscais quando foi prefeito de São Paulo, ele requereu ao Tribunal de Justiça a liberação de seu patrimônio, bloqueado desde 2004 por ordem da 4ª Vara da Fazenda.

Maluf alegou "ofensa aos princípios constitucionais" porque a medida vigora há dez anos. O desembargador Osvaldo Magalhães decidiu que "ainda subsistem os motivos (do bloqueio) como medida de interesse público". Ao se opor à pretensão de Maluf, o promotor Silvio Marques alertou que o desbloqueio "seria uma zombaria a todo cidadão honesto".

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.