NOTÍCIAS
12/09/2014 16:52 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:12 -02

Corinthians divulga manifesto contra homofobia

LEANDRO MARTINS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

A luta contra o racismo no futebol tem ficado cada vez mais em voga devido aos recorrentes episódios ocorridos em gramados por todo o mundo. O combate à homofobia, por outro lado, ainda engatinha, com torcedores que se mostram repugnados com agressões racistas hostilizando, com naturalidade, sem culpa e sem pudor, jogadores e torcedores rivais com xingamentos claramente homofóbicos.

Expressões como "bambi", "florminense", e "marias", utilizadas para "ofender" são-paulinos, torcedores do Fluminenses e cruzeirenses, se tornaram rotineiras no universo futebolístico brasileiro sem que campanhas de conscientização contra esta prática fossem criadas. Punições tampouco foram impostas aos clubes para coibir a homofobia no mundo da bola.

Recentemente, a torcida do Corinthians adotou condenável atitude de gritar "bicha" quando goleiros adversários - principalmente o arqueiro Rogério Ceni, do São Paulo - preparavam-se para cobrar o tiro de meta. Nesta sexta-feira (12), então, preocupado com possíveis punições por conta destas agressões de sua torcida contra jogadores rivais, e valorizando a história de combate ao racismo e ao elitismo do clube, o Corinthians soltou um manifesto, conclamando sua torcida a parar com as agressões homofóbicas.

"Pelo fim do grito de 'bicha' no tiro de meta do goleiro adversário. Porque homofobia, além de ir contra o princípio de igualdade, que está no DNA corinthiano, ainda pode prejudicar o Timão", diz um trecho do manifesto.

Leia o comunicado completo:

manifesto contra homofobia