NOTÍCIAS
02/09/2014 20:00 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:02 -02

Ex-presidente do Grêmio acusa Aranha de 'teatro' e minimiza caso de racismo (ÁUDIO)

Divulgação

Presidente do Grêmio entre 1997 e 1998, Luiz Carlos Pereira Silveira Martins, mais conhecido como Cacalo, causou polêmica nesta terça-feira ao defender o Grêmio no caso de racismo contra o goleiro Aranha, a quem acosuou. Atualmente membro da equipe de esportes da Rádio Gaúcha, ele chamou de "folclore" a postura da torcida gremista de chamar a colorada de "macacada". Ele ainda acusou Aranha de fazer "cena teatral".

Ouça as declarações de Cacalo na Rádio Gaúcha, na íntegra:

"Isso é folclore do futebol", garantiu Cacalo, em forte defesa do Grêmio no caso Aranha. "Não estou falando como gremista. Sou contrário ao racismo. Tenho grandes amigos negros. O Negrão, meu amigo, está ouvindo e sabe disso. Se em algum momento algum torcedor do Grêmio chamou a do Inter de macacada não chamou o negro de macaco, chamou o alemão, o branco, o italiano que é colorado de macaco", argumentou.

LEIA MAIS

- STJD adia partida entre Santos e Grêmio

- Grupo de torcedores do Grêmio volta a entoar cantos racistas em vitória no Brasileirão (VÍDEO)

Cacalo foi além e ainda criticou Aranha. "Vamos investigar o passado dele. Esse coitadinho desse santinho desse Aranha. Eu investiguei o passado dele", garantiu o ex-dirigente. "Vamos a gravidade dos fatos. Puna-se o agressor em qualquer circunstâncias. Custou a se posicionar. Se o Grêmio for punido, sou contra qualquer tipo de racismo. Se for punido por um fato como esse vai se punir uma instituição que não é racista."

"O Aranha infringiu a lei o tempo inteiro e aí ouviu um gritinho, coitadinho, e foi lá e fez aquela cena teatral", continuou Cacalo, causando revolta de seus colegas de bancada na rádio.