NOTÍCIAS
26/08/2014 13:33 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:53 -02

Israel e palestinos chegam a acordo para novo cessar-fogo em Gaza

AP Photo/Khalil Hamra

Um cessar-fogo entre israelenses e palestinos está marcado para começar às 13h (horário de Brasília), disse a agência de notícias estatal egípcia Mena.

O Ministério das Relações Exteriores do Egito deve emitir um comunicado mais detalhado, de acordo com autoridades egípcias.

O presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas (mais moderado do que o Hamas e favorável a negociações de paz com Israel), confirmou o início do cessar-fogo pela TV.

Segundo a CNN, ele agradeceu o Egito e “todos que apoiaram todos os esforços que resultaram no acordo e no fim das agressões”.

“Juntos, nós vamos reconstruir o nosso país livre”, disse.

Segundo o jornal israelense Haaretz, Israel aceitou a proposta egípcia de um cessar-fogo ilimitado. Uma delegação de Israel viajará ao Egito para discutir detalhes do acordo.

Se confirmado, o acordo encerra sete semanas de guerra que deixaram pelo menos 2.133 palestinos mortos, de acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU).

O conflito também destruiu edifícios em Gaza, fazendo com que um terço dos 1,7 milhão de residentes da região se deslocassem.

Do lado israelense, 68 pessoas morreram, sendo que quatro não eram militares.

Como parte do acordo, Israel concordou em aliviar o bloqueio de Gaza e permitir que a ajuda médica a humanitária cruze a fronteira.

O cessar-fogo também permite que os palestinos pesquem seis milhas além da costa, em vez do limite atual de três milhas.

Questões mais complexas, como a exigência do Hamas para a construção de um aeroporto e de um porto em Gaza, começarão a ser discutidas em um mês, afirmou Ziad Nakhala, graduado integrante da Jihad Islâmica à agência Associated Press.

Um oficial israelense disse ao New York Times que “não há interesse em permitir que o Hamas reconstrua sua máquina militar”.

Se os termos do cessar-fogo foram confirmados, significarão que o Hamas estabeleceu condições semelhantes às que encerraram mais de uma semana de confrontos com Israel em 2012.

Sob esses termos, Israel prometeu aliviar as restrições gradualmente, enquanto o Hamas prometeu interromper o lançamento de foguetes em direção a Israel. A trégua foi respeitada, mas o bloqueio a Gaza permaneceu praticamente intacto.

Israel e o Egito impuseram o bloqueio em 2007, depois de o Hamas ter tomado o controle de Gaza.

Pelas restrições, os 1,8 milhão de moradores de Gaza não podem viajar nem realizar operações comerciais. Apenas alguns milhares recebem autorização para sair do território costeiro a cada mês.

Durante os confrontos atuais, o Hamas havia dito que só respeitaria um cessar-fogo se o bloqueio fosse levantado.

Porém, nos últimos dias, Israel intensificou os ataques a Gaza, derrubando cinco arranha-céus com escritórios, apartamentos e lojas desde o final de semana.