LGBT
21/08/2014 18:08 -03 | Atualizado 02/06/2017 20:06 -03

Lésbicas têm mais orgasmos do que as heterossexuais, revela estudo

Hans Neleman via Getty Images

Um estudo recente publicado no Journal of Sex Medicine se concentrou na relação entre a orientação sexual e a frequência de orgasmos em mulheres e homens solteiros. Os pesquisadores coletaram as respostas de 6.151 homens e mulheres entre 21 e 65 anos por meio de um questionário online, em 2011. Depois, eles analisaram apenas as respostas de uma sub amostra menor, de 2.850 solteiros – incluindo 1.497 homens e 1.353 mulheres – que fizeram sexo nos últimos 12 meses.

Os participantes tinham de identificar gênero, orientação sexual e a porcentagem das vezes em que tiveram orgasmo com um parceiro familiar, numa escala de 0 a 100.

Apesar de as respostas dos homens não variarem muito de acordo com a orientação sexual – os homens heterossexuais relataram um índice de 85,5% de orgasmos, os gays, de 84,7% e os bisexuais, de 77,6% --, as das mulheres tinham variações notáveis. As heterossexuais relataram ter orgasmos 61,6% das vezes, e as bissexuais, 58%, enquanto as lésbicas tiveram o maior índice de orgasmos: 74,7%.

No texto do estudo, os pesquisadores postularam que a porcentagem mais alta entre as lésbicas pode ser atribuída a fatores como "mulheres autoidentificadas como lésbicas que estão mais à vontade e familiarizadas com o corpo feminino e que, portanto, na média, são mais capazes de levar as parceiras ao orgasmo". Outras avaliações incluem: duração do ato, atitude em relação a gêneros, papéis desempenhados durante o ato e possíveis diferenças hormonais.

Justin Garcia, um dos autores do estudo, professor assistente de estudos de gênero e diretor do Instituto Kinsey, da Universidade de Indiana, explicou as implicações do estudo em um email ao Huffington Post.

"Pouco se sabe sobre a ocorrência de orgasmos entre mulheres e homens de variadas orientações sexuais ao longo da vida adulta", disse ele. "Entender os fatores que influenciam a variação na ocorrência de orgasmos entre minorias sexuais pode ajudar a personalizar terapias comportamentais para aqueles de orientações sexuais diferentes."

Tal estudo pode oferecer um insight melhor dos orgasmos de todos os casais, disse ele.

"Além disso, considerando que a falta de orgasmo é vista como um problema comum e indesejado, aprender mais sobre orgasmos em relações do mesmo sexo podem ajudar no tratamento de homens e mulheres tanto em relacionamentos do mesmo sexo como os de sexo misto. Consequentemente, essas conclusões podem melhorar a qualidade do atendimento de saúde sexual."

Verdades e mitos sobre o sexo lésbico