NOTÍCIAS
19/08/2014 14:42 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:52 -02

Programa do PT vende imagem de Dilma humana e corajosa, que resolve os problemas do Brasil

A propaganda do PT na televisão apresentou a presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição, como mulher trabalhadora, humana e corajosa, que está enfrentando a crise internacional sem prejudicar os brasileiros. O programa, com pegada de documentário, exalta conquistas e realizações dos governos Dilma e Lula durou 11 minutos e 24 segundos.

"Você não se pode se abater por causa de dificuldades", diz Dilma em cena. O narrador do programa contextualiza que, em meio a crise internacional que fechou mais de 60 milhões de empregos no exterior, Dilma aumentou salários e não fechou postos de trabalho.

A campanha da presidente sublinha que, nos últimos anos sob a gestão do PT, 36 milhões de pessoas saíram da miséria graças aos programas sociais e 42 milhões entraram na classe média.

Imagens de obras federais se revezam com as revelações de Dilma ecoando, sobre o orgulho de ter criado o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec).

Além do perfil gestora, o lado humano de Dilma é apresentado aos telespectadores. "Uma mulher que acorda cedo, trabalha muito, gosta de cozinhar e tratar do jardim e tem saudades da filha e do neto", diz o narrador.

LEIA MAIS:

- Propaganda do PSDB apresenta Aécio Neves como alternativa ao Brasil, que vem sofrendo com 'erros do governo' atual

- Programa do PSB na televisão destaca papéis de Eduardo Campos como pai, político e guerreiro

- Nanicos à esquerda e à direita mandam recado para eleitorado na estreia da propaganda na TV

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva também pediu a reeleição de Dilma, justificando que seu segundo mandato foi melhor que o primeiro. "Tive mais apoio e mais segurança para acelerar projetos", disse.

Na vez de Lula, uma música mais emocional é executada para acompanhar as palavras dele. "Vote sem nenhum receio em Dilma", pede.

A cena derradeira é uma homenagem de Lula a Eduardo Campos, presidenciável morto em acidente aéreo na semana passada. O petista diz que tinha "afeto de pai e filho" com o pernambucano.