NOTÍCIAS
18/08/2014 17:27 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:52 -02

Investigações da série de 17 assassinatos em Goiânia estacionam após duas prisões

Facebook

Depois de prender dois suspeitos, as investigações da Polícia Civil sobre a série de dezessete assassinatos que deixou Goiânia com medo nas últimas semanas estacionou.

A força-tarefa formada no dia 4 de agosto com 56 investigadores trabalha com várias linhas de investigação concomitantemente. Em alguns casos, os crimes foram considerados casos isolados, mas há poucas informações concretas até agora. "Temos quase 90% de certeza que não foi a mesma pessoa que praticou todos os atos, mas a gente não pode garantir que uma pessoa não está em mais de um caso confirmado", afirmou o delegado Reinaldo Koshiyama, um dos coordenadores da força-tarefa.

Para a polícia, o grande número de crimes dificulta a apuração. "Investigação de homicídio é muito complicado, muito dinâmico. Como os fatos são muito complexos, a princípio, alguns dos casos não teriam motivação aparente, então acaba sendo mais complexo ainda", completou Koshiyama.

A primeira prisão, de um dos suspeitos, foi realizada no dia 8 de agosto. No dia seguinte, um homem de 27 anos por roubo em estabelecimentos comerciais. A polícia investiga se há envolvimento dele na série de assassinatos, já que os assaltos foram na mesma região que a última morte, no dia 2 de agosto, da adolescente de 14 anos, Ana Lídia de Souza.

Na sexta-feira (15), foram encontrados uma motocicleta e um capacete pretos. A polícia investiga se há uma relação dos objetos com os crimes. A sequência de assassinatos assustou a capital Goiânia e arredores, especialmente devido ao boato de que havia um serial killer na cidade, autor dos homicídios.

Boato de serial killer assusta Goiânia


LEIA MAIS

- Mortes em Goiânia: clima de pânico se espalha e família de vítima caça suspeitos

- Polícia usa WhatsApp para investigar 16 assassinatos em Goiânia e não descarta ação de serial killer

- Assassinato de 12 mulheres em Goiânia alimenta boato sobre serial killer e gera força-tarefa da polícia para investigar mortes