NOTÍCIAS
15/08/2014 10:58 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:52 -02

Greenpeace usa foto de Dilma e Alckmin juntos para provocar mobilização em prol da melhoria do transporte público

Reprodução / Facebook

A Organização não governamental Greenpeace Brasil colocou cartazes com montagem da candidata à Presidência Dilma Rousseff (PT) junto com o candidato da oposição ao governo de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) na cidade de São Paulo.

A imagem que causou estranhamento pode ser vista em cem pontos de ônibus nas regiões da Vila Madalena, Avenida Paulista, Vila Marina, entre outras com a frase "A espera acabou. Até o final de 2014 a extensão do metrô de São Paulo vai dobrar".

Segundo a ONG, a provocação tem como objetivo pressionar os candidatos à reeleição a "assumir verdadeiro compromisso com a melhoria do transporte público e com a mobilidade urbana para além de promessas eleitoreiras", disse em nota no site.

"O voto dos cidadãos é sempre conquistado com promessas que depois não são cumpridas e que a população convive com condições indignas de transporte público”, afirma Barbara Rubim, da Campanha de Transporte do Greenpeace.

A instituição afirma que apenas 13% do que foi prometido nos últimos quatro anos em expansão do metrô de São Paulo foi cumprido e enumera promessas não cumpridas pela gestão Alckmin e pelo governo federal.

A campanha do Greenpeace causou confusão em algumas pessoas, que acreditaram que Dilma e Alckmin estavam aliados.

PSDB não curtiu

Apesar da adesão de parte dos seguidores do Greenpeace, os partidos dos candidatos envolvidos ficaram descontentes com os cartazes.

A legislação proíbe o uso de imagem de governante em propaganda. A Campanha do PSDB afirmou que há crime eleitoral, uso indevido da logomarca do Estado e tentativa de prejudicar a candidatura do governador, de acordo com a Folha de S. Paulo. O PSDB paulista notificou a Justiça Eleitoral, que pediu abertura de ação criminal ao Ministério Público.

Ainda de acordo com a Folha, a empresa Otima, responsável pela instalação dos novos abrigos de ônibus afirmou que houve ação criminosa e registrou ocorrência policial. Informaram também que os cartazes serão retirados dos painéis.

LEIA MAIS

- Cinco dados mostram como o transporte público ainda não é prioridade no Brasil

- Mobilidade urbana: por que a gente deixou de andar de ônibus?