NOTÍCIAS
14/08/2014 16:46 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:52 -02

Após zoar trolls das redes sociais, William Bonner desabafa contra críticos de sabatinas do JN

Reprodução/Instagram

O jornalista William Bonner, âncora e editor do Jornal Nacional, da TV Globo, voltou às redes sociais nesta quinta-feira (14). Se há dois dias ele usou a sua conta na rede social Instagram para zoar e ‘tirar uma casquinha’ dos trolls que criticaram as duas sabatinas realizadas pelo JN nesta semana, desta vez ele adotou um tom mais sério para defender o seu trabalho.

“Vejo com espanto como as paixões eleitorais momentâneas podem alimentar a intolerância de um tipo de eleitor que se considera suficientemente informado sobre os candidatos - e que nega às outras pessoas o direito de se informar. É aquele que não quer saber mais nada. Não quer ouvir explicação sobre nenhuma questão polêmica”, escreveu.

Internautas ficaram surpresos – e com opiniões divididas – após as sabatinas realizadas pelo Jornal Nacional com os candidatos Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB), na segunda-feira (11) e terça-feira (12), respectivamente. As entrevistas com os presidenciáveis foram suspensas nesta quarta-feira (13), depois da morte de Campos em um acidente aéreo em Santos, no litoral paulista.

“Em todas as entrevistas, fiz e farei as perguntas que os candidatos prefeririam não ter que ouvir. Assuntos que lhes são desconfortáveis, incômodos. Assuntos que eles não abordam na propaganda eleitoral, obviamente. São assuntos de interesse jornalístico, são assuntos que o eleitor deve conhecer”, continuou Bonner. O JN ainda promoverá sabatinas com Dilma Rousseff (PT) e Pastor Everaldo (PSC), provavelmente na próxima semana.

A postagem no Instagram acabou recebendo mais de 21 mil curtidas até as 16h30 desta quinta-feira. Nos comentários, a maioria dos internautas demonstravam apoio, com alguns trolls ainda dando as caras para tentar alfinetar mais uma vez o jornalista. Pelo tom do texto, é provável que a intolerância não vai pautar o trabalho de Bonner a frente do JN.

“Todos os candidatos que entrevistei, sem nenhuma exceção, sabiam que era papel deles prestar esses esclarecimentos - e que era meu papel cobrar as explicações (...). É esse respeito que falta aos que usam o espaço de comentários de uma foto para insultar, agredir, praguejar contra o conteúdo eminentemente jornalístico de uma entrevista (...). Essa intolerância eu faço questão de deixar registrada nos comentários. Alguma utilidade terá pra quem quiser analisar os frequentadores desse ambiente encantador e agressivo, enriquecedor e mesquinho, democrático e sectário que é a internet”, concluiu.

As polêmicas em torno do aeroporto de Cláudio (MG), com Aécio, e sobre acusações de nepotismo no caso de Campos, foram levantadas pelo JN. Pelo que foi visto até aqui, que Dilma e Pastor Everaldo se preparem.