NOTÍCIAS
13/08/2014 20:23 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:52 -02

Morte de Eduardo Campos: notícia de acidente fatal choca e paralisa Pernambuco

GUGA MATOS/JC IMAGEM/ESTADÃO CONTEÚDO

No dia da morte de Eduardo Campos, Pernambuco parou. O acidente foi o principal assunto das conversas nas ruas de Recife. Escolas e faculdades suspenderam as aulas no período da tarde e o expediente nos principais órgãos públicos foi interrompido.

Em um dos shoppings da capital pernambucana, no bairro de Boa Viagem, centenas de pessoas se aglomeravam na praça de alimentação em busca de informações sobre o desastre, informou o jornal O Estado de S. Paulo. Muitos choravam ao tomar conhecimento da morte do presidenciável e de sua equipe.

Todas as vítimas da queda do avião eram de Pernambuco ou moravam no Estado há muitos anos. Vários parentes ou amigos souberem da notícia por meio dos meios de comunicação, no meio do trabalho ou nas ruas. Além de Campos, morreram o fotógrafo Alexandre Severo, o cinegrafista Marcelo Lira, o assessor Carlos Augusto Leal Filho (Percol), o coordenador da campanha Pedro Valadares Neto e os pilotos Geraldo da Cunha e Marcos Martins.

Em diversos bairros, moradores colocaram panos pretos nas grades e janelas, em sinal de luto. Ainda de acordo com o Estadão, há informações de caravanas vindas do interiorem direção à capital.

Campos deixou o Governo de Pernambuco, que comandou de 2006 a 2013, para disputar a Presidência. Em 2010, o herdeiro político de Miguel Arraes ficou em primeiro lugar no ranking de governadores mais bem avaliados do Datafolha, após ter sido reeleito com 82% dos votos, em primeiro turno. Foi a maior votação proporcional para governador no Brasil naquelas eleições. O ranking é montado a partir de notas atribuídas pela população.

Em novembro do ano passado, 76% da população aprovava a maneira de governar de Eduardo Campos, segundo sondagem feita pela CNI-Ibope. Na mesma pesquisa, 86% dos pernambucanos disseram confiar no governador. Sua gestão foi considerada ótima ou boa por 58% da população pernambucana.

"Hoje de manhã pedi a opinião de uma pessoa que trabalha no estado sobre quem era o melhor candidato, e essa pessoa me recomendou ele (Eduardo Campos). Vou votar em quem ficar no lugar dele", disse a pernambucana Elizabete Marina da Silva, 55 anos, ao jornal do Commercio.

Segundo o jornal Folha de Pernambuco, tristeza e espanto dominaram Recife. "Chorei muito, até agora não acredito nesta morte trágica. Ele era o meu candidato e, até mesmo para quem não gosta dele, a morte foi uma surpresa. Ninguém, por mais que não goste, deseja o mal de alguém”, contou Leni Moraes, de 68 anos e comerciante.

O comerciante Wilson Santos, 55 anos, relatou que a televisão na sua barraca virou atração das pessoas que passavam buscando entender o que estava acontecendo.

Enterro

O corpo do ex-governador e candidato à presidência da República pelo PSB, Eduardo Campos, será enterrado no mesmo túmulo do avô, o ex-governador Miguel Arraes, no cemitério de Santo Amaro, na zona norte do Recife, informou o jornal Diário de Pernambuco. Tanto o avô quanto o neto morreram em 13 de agosto. Arraes em 2005, Campos em 2014.

A informação foi dada pelo único irmão do candidado, Antonio Campos, em entrevista à frente da casa do ex-governador em Recife. "Meu irmão deixará um legado de muita luta, de tentativa de melhorar o país. Ele morreu lutando pelo que acreditava”, disse Antonio.

O candidato à Presidência da República morreu na manhã da quarta-feira (13) em acidente em jatinho da campanha na cidade de Santos, no litoral de São Paulo.