NOTÍCIAS
05/08/2014 13:58 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:45 -02

Israel anuncia retirada de tropas da Faixa de Gaza após acordo de cessar-fogo (VÍDEO)

Khalil Hamra/ASSOCIATED PRESS

Israel retirou todas as suas forças terrestres de Gaza após um acordo de cessar-fogo de 72 horas com o grupo islâmico Hamas.

As Forças de Defesa de Israel (IDF) já haviam começado a tirar parte de suas tropas no fim de semana, mas ainda havia homens na região sul da Faixa de Gaza.

Na Cidade de Gaza, as ruas até então desertas foram tomadas pelo trânsito. Como relata reportagem do New York Times, barracas de frutas, garotos em bicicletas e as carroças puxadas por burros voltaram a dar cor à cidade.

Esse vídeo da Associated Press mostra a retirada dos soldados e os mercados da cidade voltando à vida.

Muitos palestinos começaram a deixar os abrigos da ONU para tentar voltar para casa, como disse o porta-voz da ONU Chris Gunness.

A trégua, mediada pelo Egito, começou às 8h (horário local, ou seja, 2h de Brasília), quinze minutos após o anúncio da retirada das forças terrestres israelenses.

A retirada das tropas acontece após a destruição da maior parte dos 32 túneis descobertos na região, que eram usados pelo Hamas para penetrar o território israelense e trazer armamento militar para dentro de Gaza.

Esse era o principal objetivo da operação terrestre, que começou em 17 de julho.

O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu havia descartado qualquer possibilidade de paz enquanto a rede de túneis não fosse demolida.

Até agora, os conflitos já desabrigaram um quarto dos 1,8 milhão de habitantes da região, destruindo 3 mil residências e matando 1.834 palestinos - a maioria, civil - e 67 israelenses - a maioria, militar.

A BBC mostra alguns palestinos voltando para casa e encontrando apenas escombros.

Crianças

As bombas de Gaza já mataram 408 crianças e deixaram outras ao menos 2502 feridas desde 8 de julho, diz a Unicef.

Mas as explosões não ferem apenas na carne: mais de 370 mil menores de idade necessitam urgentemente de atendimento psicológico, de acordo com o órgão da ONU.

"Se levarmos em conta o que estes números representam para a população de Gaza, é como se tivessem morrido 200 mil crianças nos Estados Unidos, disse Pernille Ironside à agência EFE, como relatou o G1.

A porta-voz da ONU lembrou ainda que uma criança que tem sete anos já viu três ofensivas militares, em 2008, em 2012 e em 2013. "Imagine o impacto que isso pode ter nas crianças", disse.

(Com agências de notícias)

LEIA MAIS:

- Artistas palestinos transformam bombardeios israelenses em arte (FOTOS)

- Israel e palestinos aceitam trégua de 72 horas mediada por Egito