NOTÍCIAS
02/08/2014 11:10 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:43 -02

Hamas defende emboscada em Gaza e diz que ocorreu antes do cessar-fogo; Israel não comparece em reunião no Egito

JACK GUEZ via Getty Images
A picture taken from the Israeli border with the Gaza Strip shows the sun setting over the Palestinian coastl enclave on July 29, 2014.. The Israeli offensive, which began on July 8 to end Hamas rocket attacks on the Jewish state, has killed more than 1,100 Palestinians, mostly civilians according to the United Nations, while 56 lives have been lost on the Israeli side, all but three of them soldiers . AFP PHOTO / JACK GUEZ (Photo credit should read JACK GUEZ/AFP/Getty Images)

O Hamas reconheceu sua responsabilidade neste sábado por uma violenta emboscada na Faixa de Gaza na qual um militar israelense pode ter sido capturado, mas afirmou que o incidente provavelmente ocorreu antes do cessar-fogo e que, portanto, não violou a trégua patrocinada pela Organização das Nações Unidas (ONU) e os Estados Unidos.

O comunicado, feito pelo braço armado do Hamas, as Brigadas Qassam, parece ter como objetivo se antecipar à intensificação da ofensiva de Israel contra o enclave palestino, que já dura 25 dias, e evitar uma acusação internacional de ter violado o cessar-fogo na sexta-feira.

Mas, em um sinal de que a guerra pode estar arrefecendo, os militares israelenses disseram que seus objetivos, principalmente a destruição de túneis escavados pelo Hamas, estavam perto de serem concretizados.

Israel disse que membros do Hamas armados e um homem-bomba saíram de um túnel e armaram uma emboscada contra sua infantaria em Rafah, no sul, por volta das 9h30 da sexta-feira (horário local), uma hora e meia depois do início do cessar-fogo. De acordo com o Estado judeu, dois soldados morreram e outro foi sequestrado, o tenente Hadar Goldin.

O incidente fez Israel bombardear Rafah pela manhã, causando a morte de 150 palestinos. No começo da tarde, Israel declarou o fim da trégua, que deveria ter durado 72 horas e tinha a intenção de permitir a chegada de apoio humanitário a 1,8 milhão de palestinos que vivem em Gaza, além de facilitar as negociações de paz.

Washington acusou o Hamas de uma violação "bárbara" do acordo mediado com o Egito com o envolvimento de Turquia, Catar e do presidente palestino, Mahmoud Abbas, que é apoiado pelos EUA. A ONU afirmou que não verificou as causas do fim do cessar-fogo, mas questionou o compromisso de paz do Hamas e pediu a libertação de Goldin.

O Hamas afirmou que não sabe o que aconteceu com o soldado, mas que, se ele realmente foi capturado, provavelmente foi morto pelos ataques israelenses que sucederam a ação.Alegando que a comunicação com os membros de Rafah está complicada, as Brigadas Hassam disseram no sábado acreditar que a emboscada ocorreu às 7h em resposta a avanços militares israelenses.

“Perdemos contato com as tropas (do Hamas) que realizaram a emboscada e acreditamos que esses soldados provavelmente foram mortos em bombardeio inimigo, incluindo o soldado que está desaparecido, presumindo que nossas tropas tenham feito ele de prisioneiro durante os combates”, afirmou o grupo em comunicado.

“As Brigadas Hassam não têm informação neste momento sobre o soldado desaparecido, seu paradeiro ou as circunstâncias do seu desaparecimento.”Citando um militar não identificado, a Rádio Israel disse que a condição de Goldin é desconhecida.

Ele teria sido visto pela última vez próximo aos dois soldados mortos pelo homem-bomba do Hamas, sugerindo que ele pode não ter sobrevivido e que o grupo palestino pode estar com o cadáver.Israel, apoiado pelos EUA, afirmou que, mesmo durante qualquer trégua, suas forças continuarão tentando descobrir os túneis do Hamas. Mais de 30 deles foram localizados e estão sendo destruídos, de acordo com os militares judeus.

Nova reunião

Israel não enviará representantes às negociações no Egito sobre a trégua na Faixa de Gaza neste sábado como planejado, afirmou uma autoridade israelense, acusando os islamitas palestinos inimigos de enganar mediadores internacionais.

"O Hamas não está interessado em um compromisso", disse a autoridade sob condição de anonimato.

Um cessar-fogo mediado pelo Egito fracassou na sexta-feira poucas horas depois de entrar em vigor. Uma delegação palestina, incluindo autoridades do Hamas, deve chegar mais tarde neste sábado ao Cairo para novas negociações.

Invasão israelense em Gaza