NOTÍCIAS
01/08/2014 10:25 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:43 -02

Em noite de 'figurões', fiel controla tráfego na abertura do templo da Universal em São Paulo

LUCAS DE MORAES/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Não importava a religião. A "selfie" com o Templo de Salomão ao fundo era a meta de católicos, evangélicos, curiosos e comerciantes da região do Brás, no centro de São Paulo. Mas nem todo mundo conseguiu fazer a foto desejada da inauguração nesta quinta-feira (31). Um paredão com centenas de fiéis da Universal, todos de mãos dadas e camisetas brancas com a estampa do templo em dourado, controlava o acesso de pedestres e de carros nas ruas no entorno.

Como revelou nesta quarta-feira o portal estadão.com.br, o maior templo do País, com capacidade para 10 mil pessoas e quatro vezes maior que a Basílica de Aparecida, só foi aberto graças a um alvará de evento emitido pela Prefeitura de São Paulo no dia 19. As outras licenças que o prédio deveria ter, como as aprovações do projeto modificativo de alvará de reforma e o relatório do impacto de vizinhança, continuam sob análise na Secretaria Municipal de Licenciamentos.

O Templo de Salomão foi construído com base em um alvará de reforma concedido no dia 22 de outubro de 2008. Na época, o setor de aprovações era comandado pelo ex-diretor Hussein Aref Saab, posteriormente alvo de uma série de denúncias de irregularidades.

LEIA TAMBÉM

- Templo de Salomão: conheça as regras do santuário colossal de Edir Macedo

Nesta quinta, fiéis foram escalados para "deixar a chegada das autoridades mais bonita", segundo relatos deles próprios. Todos ficavam bem encostados na guia da Avenida Celso Garcia e de ruas transversais, impedindo a visão de milhares de curiosos que tentavam fazer uma foto do templo ou ver famosos chegando para a cerimônia. O objetivo era deixar a rua livre para a chegada dos convidados ilustres, muitos deles em carros oficiais ou deixados por motoristas particulares bem na entrada da igreja. O trânsito ficou caótico em toda a região da igreja por quase quatro horas, das 16 às 20 horas.

Agentes da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) também ficaram indignados com o controle que os integrantes da igreja tentavam fazer das pessoas e dos carros. Mesmo diante da reclamação de pedestres, de jornalistas, dos agentes da CET e até de soldados da Polícia Militar, os fiéis permaneciam mudos e de mãos dadas, cumprindo a função de bloquear o trânsito de não convidados nos arredores.

"Eu controlo o trânsito, sim", respondeu à reportagem um fiel que impedia funcionários que saíam do trabalho de atravessar a faixa de pedestre da Avenida Celso Garcia, mesmo com o sinal verde para a travessia. "Nós estamos trabalhando para Deus, não é para a igreja", respondeu outra senhora, com camiseta do templo, que não deixava os carros passarem na Rua João Monteiro, na lateral do megatemplo.

'Elite política' participa da inauguração

O culto inaugural contou com a presença da presidenta Dilma Rousseff, do vice-presidente Michel Temer e do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, além de autoridades do Judiciário. O local estará aberto a visitações a partir do dia 22.

Durante a cerimônia, fiéis deram testemunho de como saíram das drogas depois que entraram para a Igreja Universal, fundada em 1977 pelo bispo Edir Macedo, que também é dono da Rede Record de Televisão. Ele fez uma oração, aproximando fiéis do palco, pedindo graças aos presentes.

“Não importa o que foi feito, não importam os pecados. O que importa é que quando manifestamos fé, confiança, o espírito de Deus vem ao nosso encontro”, declarou. O bispo pediu ainda paz ao povo de Israel.

(Com Agência Brasil)