NOTÍCIAS
21/07/2014 19:19 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:43 -02

Ucrânia ordena cessar-fogo ao redor de local do acidente da Malaysia Airlines

ASSOCIATED PRESS
Ukrainian Emergency workers carry a victim's body in a plastic bag at the crash site of Malaysia Airlines Flight 17 near the village of Hrabove, Donetsk region, eastern Ukraine Monday, July 21, 2014. Another 21 bodies have been found in the sprawling fields of east Ukraine where Malaysia Airlines Flight 17 was downed last week, killing all 298 people aboard. (AP Photo/Dmitry Lovetsky)

O presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, ordenou nesta segunda (21) um cessar-fogo em um raio de 40 quilômetros ao redor do local onde o avião da Malaysia Airlines caiu com 298 pessoas a bordo na quinta (17). O avião, segundo relatório dos EUA, foi derrubado por um míssil lançado a partir da região leste do país, dominada pelos rebeldes.

A decisão veio após uma série de denúncias de que os revoltosos de Donetsk, cidade ucraniana a 60 km do acidente que está tomada por separatistas, estariam roubando pertences dos cadáveres do acidente, destruindo provas e impedindo o trabalho de grupos de investigação.

No sábado (19), a associação bancária da Holanda denunciou casos de fraude de cartões de crédito de vítimas do incidente. As informações são da NBC News.

De acordo com o premiê ucraniano Arseny Yatseniuk, o país está disposto a entregar para a Holanda os corpos dos mortos no acidente do avião da Malaysia Airlines para que as autópsias sejam feitas no país.

Dos 298 mortos, 198 eram holandeses.

Pela manhã, o primeiro ministro da Malásia, Najib Razak, afirmou que um líder dos rebeldes pró-Rússia aceitou entregar as caixas-pretas do voo a investigadores da Malásia na noite desta segunda (21). Nas primeiras horas de terça-feira (horário local) (22), o líder separatista sênior Aleksander Borodai cumpriu o acordo.

"Aqui estão elas, as caixas-pretas", disse Borodai em uma sala repleta de jornalistas na sede da autoproclamada República Popular de Donetsk, enquanto um rebelde armado colocava os objetos sobre a mesa. De acordo com o coronel Mohamed Sakri, do Conselho de Segurança Nacional da Malásia, as duas caixas-pretas estavam "em boas condições".

Além da entrega dos objetos, os separatistas garantiram acesso seguro ao local da queda a investigadores internacionais, de acordo com Razak. Na sexta-feira, investigadores foram expulsos a tiros da região. O ministro também afirmou que os corpos estão sendo retirados do local de trem.

ASSISTA: Grupo de investigadores internacionais inspeciona corpos na Ucrânia, nesta segunda (via Associated Press)

Diplomacia

O premiê da Ucrânia voltou a acusar Vladimir Putin de apoiar os separatistas do leste do país. Ele disse que o dispositivo Buk, provável míssil que atingiu o Boeing 777, não poderia ser operado por militantes sem preparo. "É claro que este sistema não pode ser operado por bêbados terroristas pró-russos. Havia pessoas profissionais", disse.

O leste da Ucrânia vive há mais de três meses um conflito armado entre separatistas pró-russos e o governo.

Em resposta às acusações, o ministro da Defesa da Rússia declarou que não forneceu mísseis para as milícias do leste da Ucrânia. O general Andrei Kartapolov disse ainda que, no dia da tragédia, radares russos detectaram um avião ucraniano voando a cerca de 5 km da trajetória do Boeing da Malaysia Airlines.

O avião, um SU-25, é capaz de disparar mísseis a até 12 km de distância. O general disse ainda que o avião voava fora da rota após passar por Donetsk, insinuando que a aeronave saiu de seu corredor por ondem dos controladores ucranianos.

O presidente Vladimir Putin pediu que os separatistas permitissem que investigadores internacionais pudessem acessar o local da queda. Ele atribuiu novamente a culpa do incidente à Ucrânia, que retomou as ofensivas militares na região há cerca de duas semanas.

Em contraponto, líderes como Barack Obama, a chanceler alemão Angela Merkel e o presidente Yatseniuk dizem que a Rússia fornece armas, homens e treinamento às forças separatistas, impulsionando a tragédia que abate a região leste da Ucrânia.

A despeito da troca de farpas, tanto Putin quanto Obama votaram a favor de uma resolução de investigação internacional independente sobre a queda do avião no Conselho de Segurança da ONU nesta segunda (21).

Com Associated Press e Reuters. Atualizado às 20:04 de 21 de julho de 2014.

Queda do Avião da Malaysia Airlines