NOTÍCIAS
14/07/2014 11:53 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:35 -02

Candidato ao governo de SP, Paulo Skaf classifica Alckmin de 'bonzinho' e promete endurecer com manifestantes e grevistas

Montagem/Estadão Conteúdo

O principal adversário de Geraldo Alckmin (PSDB) na corrida pelo Palácio dos Bandeirantes pretende vender a ideia de que será mais durão que o atual governador de São Paulo. Durante a campanha, Paulo Skaf (PMDB) deve investir no discurso de "linha dura" em greves e manifestações. As informacões são da coluna Painel, da Folha de S. Paulo.

"É bom ter um genro bonzinho, não um governador", disse, segundo o jornal.

Ele é favorável à proibição de máscaras em protestos e à demissão dos metroviários que participaram da greve do metrô em maio deste ano.

Skaf tentará conquistar o eleitorado que abomina depredações e ações dos grupos que utilizam a tática black bloc, usando máscaras e quebrando ou atacando símbolos do capital, como lojas, shoppings e bancos.

Atualmente, Alckmin é bastante associado à repressão da Polícia Militar de São Paulo em manifestações e atos organizados por movimentos sociais.

Um dos casos mais emblemáticos foi o despejo de Pinheirinho, ocupação em São José dos Campos (SP), em 2012. Na época, a Tropa de Choque da PM paulista foi responsável pela desocupação e teve a atuação questionada por entidades em defesa dos direitos humanos e pelo próprio governo federal.

Para eles, houve excesso de violência – uma verdadeira "barbárie", nas palavras da presidente Dilma Rousseff.

No ano passado, a PM endureceu durante o histórico protesto de 13 de junho e acabou agredindo e até prendendo dezenas de manifestantes pacíficos e jornalistas.

Skaf é apoiado pelo ex-prefeito da capital paulista Gilberto Kassab (PSD), que é candidato a senador.

Segundo pesquisa Datafolha sobre a corrida pelo governo de SP, divulgada no início de junho, Alckmin tem 44% de intenções de voto e Skaf 21% .