NOTÍCIAS
06/07/2014 16:28 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:35 -02

Desabamento em BH: construtora responsável por viaduto repassou quase R$ 3 mi em doações a partidos em 2012

CLAYTON DE SOUZA/ESTADÃO CONTEÚDO

O PMDB recebeu nada menos do que R$ 1,8 milhão da Construtora Cowan S/A, responsável pelo viaduto que desabou na semana passada em Belo Horizonte, matando duas pessoas e ferindo mais de 20. A informação é da ONG Contas Abertas e reforça uma relação antiga com o partido do vice-presidente da República, Michel Temer.

Há dois anos, durante as eleições, a revista Veja denunciou que Temer utilizou justamente um jatinho da Cowan para realizar campanha de Lúdio Cabral (PT), então candidato a prefeito de Cuiabá (MT). Além do PMDB, o PCdoB (R$ 500 mil) e o PSDB (R$ 500 mil) foram outros partidos que receberam doações da construtora.

A relação entre construtoras e partidos no Brasil, aliás, não é nova, conforme reportagem da Agência Pública já noticiou recentemente. Entretanto, a Cowan aparece com uma “doação modesta” perto de gigantes como Andrade Gutierrez (R$ 81,2 milhões doados em 2012), Queiroz Galvão (R$ 52,1 milhões) e OAS S.A. (R$ 44,1 milhões).

O viaduto que caiu na capital mineira é parte da obra de implantação do BRT Antônio Carlos/Pedro I, que possui a previsão de gastos no valor de R$ 713,5 milhões e tinha inauguração prevista para os próximos dias. A obra deveria ter ficado pronta antes da Copa do Mundo, já que integra o PAC do Mundial, mas estava atrasada.

Além das ligações com partidos políticos, a Cowan também era alvo de investigações por parte do Tribunal de Contas da União (TCU) por conta de irregularidades em pelo menos quatro obras.

Demolição de viaduto é impedida

A Defesa Civil de Belo Horizonte recebeu neste domingo (6) da Polícia Civil de Minas Gerais um ofício impedindo a demolição do viaduto Batalha dos Guararapes, na região da Pampulha, que desabou sobre a Avenida Pedro I na última quinta-feira. Conforme a assessoria de imprensa do órgão, está "tudo pronto" para iniciar a demolição quando ela for autorizada, inclusive com a liberação de duas vias para trânsito da população entre a capital e o aeroporto. A operação estava prevista para acontecer hoje às 8h.

"O TJ-MG mediante provocação do Ministério Público Estadual determinou que o local dos fatos permaneça inalterado e a conservação do cenário se estabeleça", informa o conteúdo da nota recebida pela Defesa Civil Municipal, segundo sua assessoria de imprensa.

O ofício foi enviado pelo delegado regional da Polícia Civil, Hugo e Silva, que está à frente do inquérito policial destinado a apurar as circunstâncias que envolveram a queda do viaduto em construção. No acidente morreram duas pessoas e 22 ficaram feridas. Quando a demolição acontecer, não haverá explosões, ela será feita mecanicamente.

Na noite deste sábado, a construtora Cowan, responsável pela obra, havia informado que tinha recebido a autorização para a demolição do viaduto e que o mesmo iria ser feito das 8h às 22h. Procurada pela reportagem, a Polícia Civil ainda não se manifestou sobre o assunto.

(Com Estadão Conteúdo)

LEIA TAMBÉM

- Tragédia em BH: testemunhas ligam queda de viaduto à retirada de escoras