NOTÍCIAS
02/07/2014 10:28 -03 | Atualizado 26/01/2017 20:50 -02

Escândalo de venda de ingressos da CBF nesta Copa do Mundo é alvo de investigação da polícia

MAURíCIO RUMMENS/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

Ingressos da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) podem ter ajudado a alimentar um esquema que rendia até R$ 1 milhão por jogo para uma quadrilha que comercializava ilegalmente bilhetes da Copa do Mundo. Onze pessoas foram presas nesta terça-feira (1), segundo informações do jornal Folha de S. Paulo.

A Polícia Civil e o Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) comandam as investigações, que já duram três meses e apontam para Mohamadou Lamine Fofana, de 57 anos, como o líder do grupo criminoso. A investigação descobriu ainda que esta é a quarta Copa em que a quadrilha atua, conforme noticiou o Jornal Hoje, da TV Globo.

Na mão da quadrilha, os lotes de ingressos custavam entre R$ 500 e R$ 700 mil, com margem de lucro de até 1.000%. Fofana teria ligações com cartolas da Fifa, que podem estar ligados com o esquema, assim como membros da CBF e das federações de futebol da Espanha e da Argentina.

LEIA TAMBÉM

- Polícia usa bombas de efeito moral para dispersar argentinos na Vila Madalena, em São Paulo (FOTOS)

À Folha, o promotor Marcos Kac afirmou que o argelino “fez vários telefonemas para a Granja Comary”, sede da concentração e treinos da Seleção Brasileira, “na busca por ingressos”. “Suspeitamos que alguém repassasse a ele os bilhetes após a desistência dos jogadores”, completou, dizendo ainda que tudo ainda está sendo apurado e evitando falar em nomes de suspeitos.

Os detidos agora vão responder crimes de cambismo, ação criminosa e lavagem de dinheiro.

Em maio, em entrevista à Agência Pública, o jornalista britânico Andrew Jennings explicou o funcionamento do chamado “mercado negro” dos ingressos da Copa do Mundo, algo que ele detalha em seu livro Um jogo cada vez mais sujo. “Conseguir um ingresso para a Copa do Mundo é ganhar na loteria”, resumiu.