NOTÍCIAS
01/07/2014 22:26 -03 | Atualizado 26/01/2017 20:50 -02

Anfavea cobra regulamentação de termos do Inovar-Auto

ASSOCIATED PRESS
In this picture taken on Saturday, Jan. 18, 2014, an Iranian worker assembles a car at the Iran Khodro automobile manufacturing plant, just outside Tehran, Iran. Iran's car market is gearing up for a new era in the wake of the lifting of painful sanctions that had almost choked it for a few years. Established in 1962, Iran Khodro company (IKCO), is one of the biggest of the nation's 20 car manufacturers, and its sprawling headquarters and factories are located in the western suburbs of Tehran. (AP Photo/Vahid Salemi)

O presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Luiz Moan, disse nesta terça-feira, dia 1º, que cobrou do governo a regulamentação de termos do Programa de Incentivo à Inovação Tecnológica e Adensamento da Cadeia Produtiva de Veículos Automotores (Inovar-Auto) que ainda não foram definidos.

Lançado no fim de 2012, o Inovar-Auto é novo regime automotivo brasileiro. Trata-se de um programa que prevê redução de IPI para empresas que fabriquem veículos mais econômicos e seguros. Para ter direito ao benefício, as montadoras precisam cumprir algumas metas, mas, até o momento, algumas delas não foram definidas.

Nesta terça, após se reunir com o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Mauro Borges, Moan afirmou que ainda falta regulamentar de que forma serão enquadrados os créditos do Imposto Sobre Produtos Industrializados (IPI) pelo desenvolvimento de projetos de engenharia e o modelo de medição de eficiência energética, que também vai garantir um imposto menor.

De acordo com o presidente da Anfavea, o governo vai montar um calendário de reuniões para discutir essas questões. Também foram tema da reunião a questão da rastreabilidade de veículos e incentivos para a produção de carros elétricos. Segundo o governo, o principal objetivo do programa é criar condições de competitividade e incentivar as empresas a fabricar carros mais econômicos e mais seguros, investir na cadeia de fornecedores e em engenharia, tecnologia industrial básica, pesquisa e desenvolvimento e capacitação de fornecedores.