NOTÍCIAS

Paul Otlet, empresário belga, imaginou a internet em 1895

29/06/2014 13:27 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:46 -02
Marc Wathieu/Flickr

A internet é muito mais velha do que pensávamos.

De acordo com um novo livro, intitulado “Cataloguing the World” (Catalogando o mundo, em tradução livre), um empreendedor belga pouco conhecido chamado Paul Otlet previu a world wide web muito antes de os computadores (e a própria world wide web) serem inventados.

O livro foi escrito por Alex Wright, diretor de experiência do usuário e desenvolvimento de produtos do New York Times, e pode ser comprado na Amazon. Wright também escreveu sobre sua pesquisa na The Atlantic.

Em 1895, Otlet imaginou uma biblioteca universal de informações que poderia ser acessada remotamente, de acordo com o livro. Como a internet de hoje, a visão de Otlet envolvia depositar o conhecimento do mundo em um sistema centralizado e interconectado.

Otlet passou as próximas quatro décadas refinando o conceito com seu parceiro, Henri La Fontaine. Juntos, eles previram camadas de dados, projetadas para fora a partir de uma base central de informações:

otlet

Otlet e Fontaine imaginaram criar uma rede de dados interligada, que eles batizaram de “Mundaneum”, usando “telescópios eletrônicos”. O Mundaneum, esperavam eles, ajudaria a resolver alguns dos maiores problemas do mundo, promoveria um renascimento do conhecimento e conectaria pessoas e ideias além dos limites geográficos.

Veja abaixo um rascunho do “telescópio eletrônico” refletindo informações para a massa:

otlet

Com o tempo, esperava Otlet, o Mundaneum poderia introduzir um período “pós-nacional” de paz e luz. “No fim das contas, Otlet imaginou que esse ambiente permitiria que as fronteiras nacionais se dissolvessem, eliminaria as causas das guerras e levaria a humanidade a dar um salto adiante rumo a um estado mais harmonioso e iluminado”, explica Wright no site do seu livro.

Como um sistema de cartões de uma biblioteca, o Mundaneum permitiria que indivíduos buscassem pedaços específicos de informações, “conectando governos, universidades, livrarias e outras instituições em uma rede colaborativa utópica”:

paul otlet

Apesar de a internet de hoje não ter transformado em realidade a visão utópica de Otlet, algumas de suas previsões estavam sinistramente corretas. Ele acreditava que bibliotecas inteiras de textos e imagens estariam disponíveis para a massa por meio de projeções em telas individuais. Também acreditava que esse sistema ajudaria as pessoas a afiar seus conhecimentos em suas áreas de interesse. Esse rascunho mostra como funcionaria esse processo:

paul otlet