NOTÍCIAS
22/06/2014 17:32 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:45 -02

PSOL lança Luciana Genro na corrida presidencial como candidata das ruas, contra ricos e a favor de reforma tributária

A convenção do PSOL realizada neste domingo (22) formalizou o nome da ex-deputada federal gaúcha Luciana Genro como candidata à Presidência da República. Na chapa dela, o vice também é da legenda: Jorge Paz. Uma das fundadoras do partido, ao lado da vereadora Heloísa Helena, Luciana Genro se apresenta como a voz mais próxima aos manifestantes que desde junho de 2013 tomaram as ruas pedindo mudanças.


Ela alinha as bandeiras de campanha aos pleitos dos trabalhadores e dos movimentos grevistas que se intensificaram neste ano no País. Mostra-se sensível, por exemplo, à demissão dos metroviários de São Paulo, após greve que parou a capital paulista em maio.

Luciana Genro junta no mesmo balaio PT, PSDB e PSB, os três partidos que têm o maior número de intenções de voto na disputa pelo Planalto. Segundo ela, essas siglas "querem aplicar ajustes contra o povo".


Assim como o PT tem feito, a presidenciável foca o discurso na luta de classes – elite versus povo. Mas dá nome aos bois e diz que vai enfrentar os brasileiros mais ricos e acabar com a farra dos bancos, que faturam milhões de reais à custa de uma "tributação injusta". Para isso, ela defende uma reforma tributária ampla, que seja compatível com os rendimentos dos trabalhadores e das instituições.


Um dos apoios fortes a Luciana Genro fora do Rio Grande do Sul, onde está a base eleitoral dela, é do deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL-RJ).


Nas pesquisas eleitorais divulgadas recentemente, Luciana Genro não tem pontuado.

LEIA MAIS:

- Lula 'messiânico', discurso de paz e preocupação com as ruas: PT lança armas para reeleger Dilma

- Aécio e PSDB apelam à memória da população por mudança, mas tática é arriscada

- Apoio do PSB de SP a Alckmin cria primeiro grande desafio à chapa Campos e Marina