NOTÍCIAS
19/05/2014 12:16 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:35 -02

Uruguai cortará impostos sobre produção de maconha para derrubar traficantes

Andres Stapff/Reuters

O Uruguai vai retirar os impostos sobre a produção e venda de maconha em uma tentativa de garantir que os preços continuem baixos o bastante para acabar com a petição com o mercado negro vindo do Paraguai, segundo conselheiros do governo no plano de legalização da droga.

O Congresso aprovou uma lei que regulamenta o cultivo e a venda da marijuana, sendo o Uruguai o primeiro país do mundo a fazer isso, com o objetivo tirar o ramo de negócios das mãos de criminosos.

“O principal objetivo não tem a ver com impostos. Tudo que estamos fazendo é com o objetivo de prejudicar o mercado negro”, disse Felix Abadi, que trabalha no plano do governo. “Então temos que baixar os preços”.

O Uruguai vai leiloar seis licenças para produzir maconha legalmente no país nas próximas semanas. O governo também está considerando plantar cannabis em um terreno controlado pelo Exérciot para evitar o tráfico ilegal da colheita.

Enquanto o tabaco e o álcool têm taxas pesadas no Uruguai, o negócio da maconha será operado sem impostos, disse Abadi. O Uruguai não exige um decreto ou lei para retirar taxas sobre os produtos.

A nova política que regula plantio e venda de maconha foi aprovada pelo presidente José Mujica este mês. O projeto diz que os uruguaios poderão comprar até 10 gramas de maocnha por semana em farmácias por até um dólar, preço comparável ao do mercado negro.

País agricultor com 3,3 milhões de habitantes, o Uruguai ficou conhecido mundialmente pela legislação sobre maconha apoiada por Mujica, um ex-guerrilheiro de 78 anos com estilo de vida modesto e reflexões filosóficas que fizeram dele um queridinho internacionalmente.

(Com Reuters)