NOTÍCIAS
16/05/2014 11:54 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:35 -02

Na semifinal da Libertadores, Bolívar volta a colocar o futebol boliviano em destaque

Gaston Brito / Reuters

Até o início da noite desta quinta-feira (15), o maior feito da história do futebol boliviano havia sido a classificação da seleção local à disputa da Copa do Mundo dos EUA. Naquela ocasião, o treinador espanhol Xabier Azgarkorta era o comandante da Bolívia, que surpreendeu o mundo da bola pela primeira vez.

Com estrela, Azgarkorta voltou a colocar, nestes dias em que o planeta bola já respira a Copa do Mundo, o futebol boliviano - que não estará presente na competição que será disputada no Brasil - novamente em destaque: com a vitória por 1 a 0 sobre o Lanús, da Argentina, em La Paz, pelas quartas de final da Libertadores da América, o Bolívar avançou às semifinais do torneio, feito inédito para o futebol do país.

Valendo-se da altitude de quase 4 mil metros para sufocar seus adversários, a equipe andina foi deixando seus concorrentes para trás – o Flamengo foi uma de suas vítimas – contando, desta vez, também, com a habilidade de jogadores como Juan Carlos Arce, Walter Flores, Juanmi Callejón e William Ferreira.

A excelente campanha do Bolívar tem empolgado, inclusive, o presidente Evo Morales, que acompanhou o épico triunfo do time nesta quinta-feira no estádio Hernando Siles. "A Bolívia neste momento está contente. Estamos no caminho de ser campeões da Libertadores”, afirmou, após a partida.

A busca pelo título inédito será travada com concorrentes que também almejam pela primeira vez a conquista do troféu continental. O adversário do time boliviano será o San Lorenzo, da Argentina - o time do Papa Francisco é o único “grande” argentino que nunca triunfou na competição.

Na outra semifinal, o Defensor, do Uruguai, que deixou para trás o Nacional de Medellín, da Colômbia, enfrentará outro Nacional, o paraguaio: ambos os times são considerados “pequenos” em seus países e contarão com o apoio de torcedores de outros clubes para alcançar a glória continental.