NOTÍCIAS
15/05/2014 15:43 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:35 -02

Greve dos PMs em Recife: saques, arrastões em shoppings, aulas suspensas e chegada do Exército

Um mês após a greve dos policiais militares na Bahia, agora é a vez de Pernambuco enfrentar o mesmo problema. O impacto da paralisação dos PMs em Salvador, com insegurança, roubos e homicídios, foi uma lição para os policiais da região metropolitana de Recife. Eles aproveitam o ano eleitoral e a tensão pré-Copa para pressionar o governo estadual por reajuste de 50% dos praças.

Com os PMs de braços cruzados desde ontem (14), criminosos efetuam saques em lojas, caminhões de atacadistas, supermercados e até shoppings. Os vídeos abaixo mostram moradores de Abreu e Lima, município a 16 quilômetros de Recife, praticando roubos, cientes da ausência de policiamento.

Sem policiais, as ruas ficam vulneráveis a assaltos. O publicitário Fábio Melo compartilhou o vídeo de um assalto na Avenida Conselheiro Aguiar, que fica paralela às Avenidas Boa Viagem e a Domingos Ferreira, duas das mais movimentadas vias da zona sul da capital pernambucana. Nas imagens, os assaltantes param o carro de uma mulher, ameaçando-a com armas e fogem em alta velocidade na sequência.

"Umas pessoas da agência [onde trabalho] tinham saído para almoçar, mas voltaram depois de verem pessoas armadas na rua", contou Fábio ao Brasil Post. Além do carro, os assaltantes levaram da vítima bolsa, celulares e documentos.


Pelo Twitter, moradores da capital pernambucana relatam outros momentos de tensão:


O governo federal se comprometeu a enviar membros da Força Nacional de Segurança e do Exército para garantir a segurança da população e dos estabelecimentos comerciais. Os militares começaram a chegar hoje (15).

A Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) suspendeu as aulas durante toda esta quinta-feira.

O governo de Pernambuco, João Lyra Neto, se reuniu hoje no final da tarde com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, para tratar de mais reforço na segurança do estado. Em entrevista coletiva ao final do encontro, ficou definido que mais homens devem desembarcar em Recife, se necessário, e que as Forças Armadas vão garantir a segurança durante a crise.