NOTÍCIAS
13/05/2014 21:04 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:35 -02

Ministro Dias Toffoli toma posse na presidência do TSE

Ed Ferreira/Estadão Conteúdo

O ministro Dias Toffoli tomou posse nesta terça-feira (13) no cargo de presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Ele vai substituir o ministro Marco Aurélio Mello, que deixa a presidência por completar quatro anos no tribunal, prazo de permanência no TSE. Toffoli vai comandar as eleições presidenciais de outubro. O vice-presidente será o ministro Gilmar Mendes. A cerimônia de posse foi acompanhada pela presidente Dilma Rousseff, pelo vice-presidente da Republica, Michel Temer, o presidente do Congresso, senador Renan Calheiros, além de autoridades do Judiciário.

Em seu discurso de posse, Toffoli afirmou que é fundamental que a Justiça Eleitoral tenha cadastro único para evitar fraudes. Segundo o presidente, o trabalho de biometria vai continuar como uma das prioridades da Justiça Eleitoral. Nas eleições de outubro, mais de 22 milhões de eleitores serão identificados por meio das digitais. "A partir da identificação do cidadão eleitor, desde o seu nascimento, a nação, além de maior segurança na identificação única de seu cidadão, poderá colocar fim às múltiplas carteiras de identidade hoje existentes", afirmou o novo presidente.

LEIA TAMBÉM

- Eleições: quem não votar ajudará a causar prejuízo superior a R$ 195 milhões aos cofres em 2014

- Dilma x Aécio: baixaria já corre solta no duelo dos perfis não oficiais

A presidência do TSE é ocupada por ordem de antiguidade entre os três ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) que também compõem o tribunal eleitoral. Além de Toffoli, Mendes e Luiz Fux, atualmente ministro substituto, também pertencem ao Supremo. Dois ministros oriundos do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e dois membros da advocacia completam a composição do TSE.

Toffoli foi empossado como ministro efetivo do Tribunal Superior Eleitoral em maio de 2012. Ele nasceu em Marília (SP), no dia 15 de novembro de 1967. Formou-se em direito, em 1990, na Universidade de São Paulo (USP), e especializou-se em direito eleitoral. Em 1995, ele começou a atuar como assessor parlamentar do PT. Também foi advogado do PT nas campanhas eleitorais do ex-presidente Lula em 1998, 2002 e 2006. Entre 2007 e 2009, também ocupou o cargo de advogado-geral da União.