NOTÍCIAS
12/05/2014 12:13 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:35 -02

Fifa mantém punição e zagueiro croata perde a Copa por ter entoado gritos nazistas

AP

A Fifa confirmou, em comunicado emitido nesta segunda-feira (12), a punição ao atleta croata Josep Simunic, que entoou gritos nazistas após a classificação de sua seleção à Copa do Mundo, em novembro de 2013.

O atleta teve rejeitado o recurso perpetrado junto à Corte Arbitral do Esporte (CAS, em inglês) e recebeu a suspensão de 10 jogos – ficando de fora da disputa do Mundial -, além de uma multa de 30 mil francos suíços (R$ 70 mil) e a proibição de assistir às partidas da competição nos estádios.

Durante as comemorações com seus companheiros de equipe, após a vitória sobre a Islândia, na última rodada das Eliminatórias Europeias, Simunic pegou um microfone e gritou: "Para a batalha, para a batalha pela pátria". Os torcedores, então, responderam: "Estamos prontos”. Tais slogans eram usados pelo regime croata Ustasha, aliado dos nazistas na Segunda Guerra Mundial.

Instalada a polêmica, o zagueiro do Dínamo de Zagreb, tentou minimizar sua atitude, dizendo ter afirmado “amor ao povo e à pátria”. Para a CAS, porém, “foi uma referência clara e inequívoca ao chamamento utilizado (pelos Ustashas)” – a decisão de manter a punição foi unânime.

A nota emitida pela Fifa afirma que a entidade “aceitou a decisão proferida pela Corte Arbitral do Esporte (CAS, em inglês) no caso envolvendo Josip Simunic, que foi sancionado por um comportamento discriminatório".

Davor Prtenjaca, advogado de Simunic, criticou a decisão da Fifa. "Esta não foi a vitória da justiça, mas o poder de uma grande associação de futebol. A Fifa tomou a sua decisão com base em aspectos políticos, não legais", disse. “A Fifa não fez nada para provar que Simunic insultou alguém ou tivesse a intenção de fazê-lo".