NOTÍCIAS
10/05/2014 15:43 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:29 -02

Leste da Ucânia faz referendo de independência neste domingo

Marko Djurica/Reuters

O referendo no Leste da Ucrânia será realizado neste domingo (11) como estava programado, apesar do apelo de Moscou para o adiamento da consulta.

As posições dos separatistas foram comunicadas na quarta-feira, um dia depois de o presidente russo, Vladimir Putin, ter lançado um apelo no sentido do adiamento do referendo para que se pudesse proporcionar o “diálogo” com Kiev.

“A data do referendo não vai ser adiada” disse Denis Pushilin, líder da auto-proclamada República Popular de Donetsk. As autoridades ucranianas destacaram que o referendo é um “ganho político” e mantêm a operação militar em curso que, na prática, abrange mais de dez cidades da região. A Aliança Atlântica informou que não há sinais da retirada das tropas russas na fonteira com a Ucrânia, como Putin havia anunciado.

Apesar de separatistas e pró-russos, os insurgentes do leste da Ucrânia parecem querer desafiar Putin com essa atitude. “Putin está procurando uma saída para essa situação. Somos gratos a ele por isso”, disse Pushilin. “Mas nós somos apenas um eco para o povo, damos voz ao que eles querem”.

Nas últimas semanas, a Ucrânia tem ficado cada vez mais polarizada, com o oeste se aproximando da Europa e o leste a favor de laços mais estreitos com a Rússia. Desde que o presidente Viktor Yanukovich foi deposto, rebeldes têm tomado delegacias e prédios do governo em dezenas de cidades do leste.

O referendo é mais popular na classe operária que fala russo no leste da Ucrânia. A revolta contra o governo de Kiev remonta aos protestos contra corrupção e a situação econômica do país, em fevereiro. Os protestos foram vistos por muitos ucranianos que falam russo como um golpe, e eles não reconhecem o atual governo interino, por isso, preferem se anexar à Rússia, como a Crimeia.

Além de Donetsk, a região de Luhansk fará um referendo de independência. Juntas, as duas regiões vizinhas têm 6,5 milhões de habitantes. A votação é parecida com a que aconteceu na Crimeia em março, que precedeu a anexação à Rússia.

No entanto, tudo indica que este domingo será um dia complicado na Ucrânia, e é difícil prever o que pode acontecer. Na sexta, em uma tentativa de acabar com a insurgência no leste do país, o governo ucraniano matou 20 rebeldes pró-Rússia na cidade de Mariupol, em Donetsk. O miinistro do Interior, Arsen Avakov, disse que a tentativa de "terroristas" de invadir o edifício, localizado em um importante centro industrial e logístico, rapidamente se transformou em uma batalha campal intramuros.

(Com Agência Brasil e Associated Press)