NOTÍCIAS
04/05/2014 13:00 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:29 -02

Tensão se espalha na Ucrânia

ANATOLII STEPANOV via Getty Images
A woman speaks through a megaphone as she holds a placard reading 'Putin you will suffer the fate of Hitler! Amen!' during a rally of pro-Ukrainian activists in southern Ukrainian city of Odessa on May 4, 2014. Flowers, candles and photos of the dead pile up outside a charred building in the scenic Ukrainian port city of Odessa where anger simmers a day after brutal clashes claimed 42 lives. Clashes intially broke out between pro-Russian militants and supporters of Ukrainian unity that quickly turned deadly. Several combattants, reportedly mainly on the pro-Russian side, barricaded themselves in the trade union building, which was set on fire as both sides traded petrol bombs. AFP PHOTO / ANATOLII STEPANOV (Photo credit should read ANATOLII STEPANOV/AFP/Getty Images)

A tensão se espalha na Ucrânia à medida que o governo intensificou a campanha contra a insurgência pró-Rússia. Confrontos foram reportados em diversas cidades e batalhões de defesa locais são montados em áreas que não estavam sendo afetadas pela crise até então.

Ao menos seis cidades orientais foram palco de violência ao longo do fim de semana, depois de uma sexta-feira sangrenta, marcada por confrontos e um grande incêndio que deixou 46 mortos em Odessa. Mais cedo, na sexta-feira, forças ucranianas haviam relançado uma ofensiva para retomar o controle na cidade próxima de Slovyansk.

LEIA MAIS:

Incêndio mata pelo menos 38 em cidade portuária ucraniana de Odessa

Ucrânia lança primeira grande ofensiva contra forças pró-Rússia no leste

Neste domingo, várias centenas de manifestantes pró-Rússia se reuniram em frente à principal delegacia de Odessa, demandando a soltura dos presos na sexta-feira. Reportagens locais relataram que a multidão atirou tijolos no prédio e tentou entrar à força, mas os manifestantes foram inicialmente contidos.

O primeiro-ministro ucraniano Arseniy Yatsenyuk, também neste domingo, assumiu a responsabilidade das forças de segurança do país em não terem evitado a onda de violência na sexta-feira. Ele disse que haverá uma "investigação completa e independente" sobre os fatos e que todos os envolvidos na incitação à atos violentos serão encontrados.

Um dia antes o governo havia dito que o chefe da polícia de Odessa havia sido demitido e que cerca de 200 pessoas haviam sido presas. O primeiro-ministro tinha dito que a estrutura da polícia regional seria reorganizada. Fonte: Dow Jones Newswires.