NOTÍCIAS
28/04/2014 20:59 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:29 -02

"Volta, Lula": deputados do PT reagem ao manifesto do PR

JF Diorio/Estadão Conteúdo

Deputados do PT reagiram ao manifesto em defesa do "Volta, Lula" divulgado pela maioria da bancada do PR na Câmara e reafirmaram que a presidente Dilma Rousseff deverá ser a candidata petista ao Planalto. "No PT, não há a menor dúvida e estamos empenhados (na reeleição de Dilma)", avaliou o vice-presidente da legenda e deputado federal José Guimarães (CE). "Para o PT, isso está resolvido e a discussão não cola no PT", acrescentou.

Na tarde desta segunda-feira (28), o líder do PR na Câmara, Bernardo Vasconcellos (MG), divulgou um manifesto apoiado por 20 dos 32 deputados da sigla, no qual defende a reedição da aliança "capital e trabalho", em referência ao vice escolhido pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o empresário José Alencar.

No documento, os integrantes do PR pedem o retorno de Lula e alegam que o "momento de crise, dentro e fora do País, reivindica a força de uma liderança política com a experiência e o brilho de Luiz Inácio Lula da Silva no comando da nação brasileira novamente". Vasconcellos disse que a posição assumida hoje não significa um rompimento com o governo Dilma Rousseff.

LEIA TAMBÉM

Lula candidato a presidente: petista quer voltar ao Planalto em 2014, diz colunista

Lula é alvo de críticas após dizer que julgamento do mensalão foi "80% político"

O deputado Carlos Zarattini (PT-SP) fez coro a Guimarães e avaliou que a "candidatura natural" do PT é a presidente Dilma Rousseff. O petista disse ainda que a bandeira levantada hoje pelo PR é uma manifestação "legítima" e típica do "momento pré-eleitoral", mas reiterou a defesa à candidatura de Dilma. "O que está colocado (no partido) é a reafirmação do apoio à presidente Dilma", disse o deputado.

Parceria antiga

Na primeira vitória de Lula, o PR teve um papel importante ao indicar para o cargo de vice-presidente José Alencar, um conhecido empresário que ajudou a dissipar os temores nesse meio com a eleição do PT para a Presidência. Em nome dessa aliança de 2002 é que o PR sugere agora a volta de Lula. Na atual gestão, o partido comanda o poderoso Ministério dos Transportes.

Procurado, o Instituto Lula reafirmou, por meio da assessoria, que o ex-presidente não será candidato e apoiará a candidatura de Dilma à reeleição.

O líder do PR afirmou que o principal motivo que levou a bancada a tomar essa posição são as dificuldades econômicas do país, que, segundo ele, decorrem de dificuldades externas. "A questão da energia, da inflação, da dificuldade de competitividade com outras economias, todos as dificuldades que estamos passando no momento (nos fizeram tomar essa posição)", afirmou.

Questionado sobre a posição pública de Lula, que tem negado a possibilidade de se candidatar, o deputado mostrou-se esperançoso e disse acreditar na "sensibilidade e na brasilidade do presidente".

(Com Reuters)