NOTÍCIAS
23/04/2014 20:15 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:29 -02

PSDB e PT mostram "bom humor" no Twitter ao desmentirem o que eles mesmo dizem. Veja e entenda

Thinkstock

Que o Twitter é hoje uma importante ferramenta de comunicação entre partidos e a opinião público, disso ninguém tem dúvidas. Mas tão importante quanto isso é saber o que sairá a cada tweet, afinal, uma vez na rede mundial de computadores, já era! E os dois adversários mais ferrenhos da política brasileira, PSDB e PT, conseguiram levar a contradição a outro nível nesta quarta-feira (23).

Comecemos pelos tucanos. Antes da votação do Marco Civil da Internet no Senado, ocorrida na noite de terça-feira (22), a bancada do PSDB tentou impedir que a matéria fosse votada, alegando precisar de “mais tempo” para discussão. Vencida, acabou votando a favor do projeto. E o que isso tem a ver com o Twitter? Bem, primeiro a página oficial tucana exaltou a defesa do senador Aécio Neves (PSDB-MG), pré-candidato da sigla à Presidência da República, ao Marco Civil.

Menos de duas horas depois, o tweet curioso: o PT não desistiria de “censurar a internet no Brasil”.

Hein? Confuso, não? É verdade que uma matéria aborda o projeto que passou, na base da maioria governista, com o teor amplamente governista, enquanto a outra reportagem fala de uma nova sugestão que deverá vir para ser acrescentada ao Marco Civil. Mas fica a pergunta: os tucanos estão satisfeitos com o projeto sancionado pela presidente Dilma Rousseff para a rede no País? Meio contraditórios os tweets, sob um primeiro olhar.

Antes que os petistas possam rir, eles precisam ver como o Twitter oficial do PT na Câmara tratou a entrevista dada pelo presidente da legenda, Rui Falcão, nesta quarta-feira. Primeiro, o tweet em que, em um primeiro momento, soa como apoio ao deputado licenciado André Vargas (PT-PR).

Entretanto, não foi bem esse o teor dado por toda a imprensa sobre a coletiva de Falcão. Na própria matéria petista, o trecho mais contundente – a vontade de que Vargas renuncie – foi o destaque.

Mais do que uma questão de interpretação, o Twitter pede clareza – não por acaso, ele é reduzido a 140 caracteres. Bom, pelo menos foi um dia para deixar a política brasileira um pouco mais leve e engraçada.