NOTÍCIAS
23/04/2014 15:31 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:29 -02

Câmara aprova convite a Gabrielli e Cerveró; Graça Foster e Mantega serão ouvidos em breve

Renato Costa/Frame/Estadão Conteúdo

O ex-presidente da Petrobras José Sérgio Gabrielli será convidado pela Câmara dos Deputados para falar sobre a compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, pela estatal brasileira. O pedido foi aprovado comissões de Relações Exteriores, Desenvolvimento Econômico e Fiscalização e Controle da Casa. Ele é mais um dos vários nomes ligados à empresa que devem ser recebidos nas próximas semanas.

Gabrielli era o presidente da Petrobras em 2006, quando a empresa comprou metade da refinaria da belga Astra Oil. Depois de um período de litígio, a estatal teve de gastar mais de US$ 1,2 bilhão para comprar os outros 50%, gerando um prejuízo de mais de US$ 500 milhões aos cofres públicos na ocasião. Os parlamentares querem mais detalhes sobre toda a transação, a fim de saber o papel de cada diretor da Petrobras – incluindo a presidente Dilma Rousseff, que era ministra-chefe da Casa Civil na época e dirigia o conselho da estatal.

LEIA TAMBÉM

Comissão da Câmara vai convidar empresário explicar contratos com a Petrobras

Família de ex-diretor da Petrobras gastou quase R$ 6 mi em imóveis nos últimos cinco anos, diz revista

Para resolver impasse de Pasadena com Petrobras, Astra acionou até irmão de John Kennedy

Outros convites aprovados pelos deputados foram dirigidos ao ex-diretor da área internacional da estatal, Nestor Cerveró – que já foi ouvido na Casa no último dia 16 deste mês –, ao ministro da Fazenda, Guido Mantega, e ao ministro Luís Inácio Adams, da Advocacia-Geral da União. Em todos os casos, por se tratarem de convites, eles podem comparecer ou não. De acordo com o G1, Gabrielli e Cerveró estão dispostos a atender ao chamado. Já Mantega é aguarda no dia 14 de maio, às 9h30.

Quem já possui data marcada para ser ouvida na Câmara é a atual presidente da Petrobras, Graça Foster. Ela falará aos parlamentares na próxima quarta-feira (30), às 10h. Ela deveria ser ouvida nesta quarta-feira (23), mas representantes da estatal pediram para adiar o encontro. Será a segunda vez neste mês que ela vai ao Congresso. Na semana passada, em depoimento no Senado, Graça Foster reconheceu que “não foi definitivamente um bom negócio”.

(Com Agência Câmara)