NOTÍCIAS
16/04/2014 16:35 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:23 -02

Jornalista dinamarquês: "quanto mais eu fosse atrás, mais em perigo as crianças estariam"

Divulgação/Facebook

Mikkel Keldorf Jensen existe, e ele ama futebol, a Copa do Mundo e o Brasil. O Brasil Post conversou com ele sobre a repercussão de seu post no Facebook, no qual ele diz que desistiu de cobrir a Copa do Mundo porque descobriu o custo social do evento.

O post teve uma repercussão enorme, com mais de 30.000 compartilhamentos, e, com ele, questionamos por que foi dada tamanha atenção para esse desabafo. Queríamos saber: quem é esse cara? Agora temos uma vaga ideia.

Jensen contou sua versão da história: na verdade ele estava fazendo um documentário sobre o custo social da Copa do Mundo no Brasil. A assessoria de imprensa da FIFA informou o Brasil Post que Jensen nunca esteve credenciado para cobrir a Copa. Ele pretendia cobrir outros aspectos do evento, mas desistiu. Agora, ele está finalizando o documentário na Dinamarca.

mikkel

Uma foto de Jensen em seu perfil no Vimeo

“Decidi que não queria ser parte da comemoração da Copa do Mundo no Brasil, porque pra mim não há comemoração. Antes eu pensei que seria ótimo estar aí na Copa do Mundo, mas hoje sei que não posso estar aí e ficar feliz ao mesmo tempo. Eu amo o Brasil, mas não gosto da forma como a Copa do Mundo vai acontecer no Brasil nem da forma como o Brasil esconde o que acontece”, disse Jensen ao Brasil Post. Leia a entrevista na íntegra:

Brasil Post: Devo admitir que até pensei que poderia ser um fake, mas você existe, certo? (Risos).

Mikkel Jensen: Sim, sou de verdade.

Me fale mais sobre a sua carreira e seu interesse pelo Brasil.

Estive no Brasil em 2007 por dois meses de férias. Em 2012, voltei para estudar história do Brasil, português e documentário na PUC-Rio. Voltei em setembro para fazer meu documentário.

Muitos jornalistas aqui no Brasil não entendem porque você desistiu de cobrir a Copa. Você disse que ficou muito triste ao descobrir o preço real da Copa, mas por que você não quis fazer reportagens sobre a “limpeza” de pessoas em Fortaleza?

Eu tive a impressão de que, quanto mais eu fosse atrás da história, mais em perigo estariam essas crianças em Fortaleza.

Por que?

Porque minhas fontes me disseram que estavam fazendo essa limpeza na cidade para os estrangeiros verem. Eles fazem isso para os gringos, e os jornalistas gringos, não verem as crianças de ruas.

As crianças ou outras fontes também confirmaram isso?

As crianças me disseram que estavam disparando contra elas. Assistentes sociais me falaram que estavam matando essas crianças.

Alguém falou para você parar de investigar essa história?

Não, foi minha opinião pessoal e minha própria decisão dizer: ok, posso fazer duas coisas até agora. Posso ficar em Fortaleza e apurar a história das crianças e colocá-las em maior perigo, talvez até provocar uma morte. Isso é muito difícil de ter em sua consciência quando você não é só um jornalista, mas um ser humano. Eu também poderia ir atrás das pessoas que estão matando essas crianças. Como jornalista, é o que eu deveria fazer. Mas muitas pessoas me disseram que eu estaria arriscando minha própria vida. Falar disso no Brasil também seria muito perigoso para mim.

Você pensou em passar essa pauta para um jornalista brasileiro então?

Para mim é estranho que os jornalistas brasileiros não saibam disso, porque as crianças estão lá todos os dias. Como um jornalista, por que eu deveria falar isso para eles? Todo mundo sabe. Se os jornalistas quiserem falar sobre essas crianças, é fácil achá-las.

Ouvi falar que redes de TV na Dinamarca estavam te esperando quando você voltou e que a imprensa aí está cobrindo o assunto com avidez. Você imaginou que seu post teria tamanha repercussão?

É verdade, tem sido uma loucura, muitos pedidos de entrevista. Mas eu não imaginava, não. Sabia que as pessoas falariam sobre isso, mas jamais pensei que o Romário compartilharia meu post. Estou feliz ao ver que as pessoas estão falando sobre isso e quero que saibam o verdadeiro preço da Copa do Mundo, quero que pessoas de fora saibam que existirão muitas consequências que você não verá em apenas uma semana no Brasil.

Você está lendo o que as pessoas estão comentando a seu respeito?

Nem tudo, porque é demais. As pessoas podem me chamar de idiota, mas eu só estou feliz porque as pessoas estão falando sobre isso.