NOTÍCIAS
15/04/2014 11:22 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:23 -02

Ariano Suassuna e Pierre Lévy despontam na noite literária de Brasília

THALES STADLER/AGÊNCIA ESTADO

Imortal da Academia Brasileira de Letras (ABL) e um dos maiores dramaturgos e poetas do século 20, Ariano Suassuna vai compartilhar suas lições de escritor com leitores e fãs nesta terça-feira (15). O autor paraibano será o grande homenageado da segunda edição da Bienal Brasil do Livro e Leitura, que ocorre na Esplanada dos Ministérios.

Suassuna escreveu Auto da Compadecida, em 1955, considerado o texto mais popular do teatro moderno nacional, de acordo com o crítico teatral Sábato Magaldi, um dos mais importantes teatrólogos do País. A obra virou filme e série para a TV brasileira. Também escreveu O Castigo da Soberba (1953) e Rico Avarento (1954).

O escritor de 86 anos fundou o Teatro Popular do Nordeste, em 1959, e foi o professor de estética na Universidade Federal de Pernambuco.

"Suassuna encarna da forma mais vigorosa a criatividade da cultura popular brasileira", disse ao Brasil Post o secretário de Cultura do Distrito Federal, Hamilton Pereira. "Ele expressa com grande qualidade estética e com um estilo acessível o humor, a inteligência, a vivacidade da nossa gente do Nordeste."

A palestra dele vai ser realizada na praça do Museu da República. Os interessados devem chegar antes das 18h30 ao museu e ir direto para a fila. Serão distribuídas 650 senhas.

Seminário sobre internet

A bienal traz hoje (15) também o seminário de um dos grandes formuladores de conceitos que norteiam a internet atualmente, como inteligência coletiva e ciberespaço. O filósofo francês Pierre Lévy leciona atualmente na Universidade de Ottawa, no Canadá.

Lévy participa do seminário "Internet: Estética, Difusão e Mercado" ao lado de André Lemos, professor de comunicação e cibercultura da Universidade Federal da Bahia (UFBA), e a professora de jornalismo e sociedade Liziane Guazina, da Universidade de Brasília (UnB). Esse seminário começa às 20h, também no Museu da República.