NOTÍCIAS
01/04/2014 18:39 -03 | Atualizado 26/01/2017 20:50 -02

Aumento da cerveja vai pagar gastos com energia elétrica

RaeAllen/Flickr
Sunday arvo beers

Aquela geladinha do final de semana vai ficar mais cara. E nem é notícia de dia da mentira! É verdade.

Aumentar o imposto para produtos industriais (IPI) da cerveja foi a maneira mais fácil encontrada pelo governo para suprir um possível rombo orçamentário no setor energético. Ou seja, sua cerveja vai cobrir os gastos de luz. Além disto, o governo já havia dado sinais de que poderia aumentar a tributação do produto na última semana.

O secretário executivo adjunto do Ministério da Fazenda, Dyogo Oliveira, afirmou que a mudança no redutor da tributação das bebidas estava prevista e o governo julgou oportuno mantê-la. "Se não fizéssemos o aumento previsto, teríamos que compensar essa arrecadação com outras medidas", explicou. Segundo ele, a projeção de arrecadação adicional de R$ 200 milhões com a medida considera as vendas de todo o ano, inclusive na Copa.

Oliveira se corrigiu e confirmou que há um nova mudança de multiplicador programada para outubro deste ano. Segundo ele, na ocasião os preços dos refrigerantes também serão impactados. A alteração publicada hoje no Diário Oficial da União atinge cervejas, refrescos, isotônicos e energéticos e deve ter um impacto de R$ 0,01 no preço de cada embalagem.

As reações no Twitter ao aumento do preço da cerveja apareceram rapidamente. Muitas faziam menção ao "gigante" das manifestações de junho de 2013.

Desempenho

As vendas do setor, no entanto, não demonstram preocupação. Dados preliminares do Sistema de Controle de Produção de Bebidas (Sicobe), da Receita Federal, mostram que a produção de cerveja no País disparou para 1,193 bilhão de litros em março, alta de 23,4% ante os 967,398 milhões de litros fabricados no mesmo mês de 2013.

Além de vendas mais aquecidas no período pelas altas temperaturas, o desempenho foi influenciado também pela realização do carnaval em março deste ano e pela renovação de estoques pós-evento. Na comparação com fevereiro, houve queda de 3,1%, já que o abastecimento para o carnaval deste ano aconteceu justamente em fevereiro.

No primeiro trimestre, a produção da bebida soma 3,719 bilhões de litros, 10,5% a mais do que os 3,365 bilhões de litros de janeiro a março de 2013.

com informações de Estadão Conteúdo