NOTÍCIAS
01/04/2014 10:59 -03 | Atualizado 26/01/2017 20:50 -02

Arena Corinthians: após interdição, Odebrecht prestará depoimento nesta terça-feira

Gero / Estadão Conteúdo

O que já era a maior preocupação para Fifa, ganhou, na noite desta segunda-feira, uma carga extra de tensão. A Arena Corinthians, palco da abertura da Copa do Mundo, que já estava com as obras atrasadas e com um impasse quanto à construção e o financiamento das estruturas provisórias, teve decretada a interdição da instalação das arquibancadas temporárias.

A decisão foi tomada pela Superintendência Regional do Trabalho e Emprego de São Paulo por conta da morte de um funcionário no último sábado e indica que as obras nas arquibancadas temporárias do estádio, sob responsabilidade da construtora Fast Engenharia, fiquem embargadas até que sejam instaladas proteções contra queda de operários que atuam em locais altos. O operário Fábio Hamilton da Cruz, de 23 anos, morreu após cair de uma altura de aproximadamente oito metros.

A montagem de arquibancadas provisórias no Itaquerão é uma exigência da Fifa, que impõe que o estádio da abertura da competição deva ter capacidade para pelo menos 60 mil pessoas – a Arena Corinthians, com as estruturas temporárias, terá 68 mil lugares. O financiamento, após acordo com o Governo do Estado de São Paulo, ficou por conta da Ambev.

Em entrevista à Folha de S. Paulo, Luiz Antonio Medeiros, superintendente regional do Ministério do Trabalho, lamentou o acidente, de responsabilidade da Fast Engenharia, e criticou a Odebrecht, empresa responsável pelas obras gerais, afirmando que a celeridade imposta pela Fifa acaba gerando acidentes como o ocorrido no sábado.

“Está havendo excesso de horas extras. Parece que estão construindo a Transamazônica”, disparou. “Enquanto eles não cumprirem [as normas], está interditado”, completou. Por ser responsável pelas obras gerais do estádio, a Odebrecht foi convocada para prestar depoimento nesta terça-feira, às 15h, na sede do Ministério do Trabalho em São Paulo.

A Fast Engenharia, por sua vez, confirmou ter recebido a notificação da interdição das obras nas arquibancadas provisórias e informou que realizará a análise técnica das solicitações da Delegacia Regional do Trabalho nesta terça-feira. Posteriormente, a construtora se posicionará sobre o impacto do acidente no cronograma das obras.

Há a expectativa, agora, pela liberação das obras nas arquibancadas temporárias do estádio em São Paulo e como isso implicará nos atrasos das obras, previstas para serem finalizadas às vésperas do início da Copa, ou seja, somente no final de maio.

Andrés Sanchez, representante do Corinthians na construção do estádio teria garantido a integrantes do Conselho Deliberativo do clube que o cronograma das obras não será afetado. Ao jornal O Estado de S. Paulo, o conselheiro Luiz Cezar Leão Granieri confirmou a informação. "Ele [Andrés Sanchez] nos informou que a parte que foi interditada é pequena. O resto da obra continua".

A morte de um operário nas obras da Arena Corinthians foi a terceira no local e a oitava nas construções e reformas de estádios da Copa do Mundo de 2014.