NOTÍCIAS
28/03/2014 19:33 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:16 -02

Rio Madeira ultrapassa os 25 metros e encobre cidade em Rondônia

Márcio Melo/Futura Press/Estadão Conteúdo

O Rio Madeira atingiu nesta sexta-feira (28) a cota de 25,35 metros, a maior em mais de cem anos, e já encobriu quase 50% da área urbana de Humaitá, no sul do Amazonas, a 600 km de Manaus. É a cota mais alta do rio ao longo em todo o percurso amazônico.

Em Porto Velho (RO), que também está alagada, o nível do rio estava a 19,66 metros. Humaitá tem 46 mil habitantes e contabiliza mais de 20 mil desabrigados. Nove dos 13 bairros estão tomados pela água e a população sofre com a falta de combustível - pelo menos dois postos estão submersos -, alimentos e apagões de energia elétrica. As escolas que não estão alagadas foram transformadas em abrigo para os flagelados, e, por isso, o ano letivo ainda não começou.

LEIA TAMBÉM

O rio Madeira visto do Mirante

De novo, cheia no Madeira

A maior parte do comércio está paralisada e os barcos se transformaram no único meio de locomoção. Com as rodovias de acesso tomadas pela água, a cidade está ilhada. "Estamos em estado de calamidade desde fevereiro, mas as águas continuam subindo", disse o advogado Carlos Terrinha. Seu escritório, na região central, está com um metro e meio de água. Ele responsabiliza as barragens de Jirau e Santo Antonio, no Rio Madeira, pela que considera a maior cheia da história. "O governo distribui cestas básicas, mas isso não resolve. O prejuízo é imenso."

Na cidade, multiplicam-se os casos de doenças transmitidas pela água. Os poços artesianos foram encobertos e contaminados. O Hospital Regional está superlotado com 600 pacientes acometidos de virose, febre e diarreia, além de 60 casos de dengue e pelo menos um já confirmado de leptospirose. A Marinha enviou um navio-hospital para atender a população ribeirinha. Segundo o prefeito José Sidenei Lobo (PMDB), comunidades rurais estão completamente isoladas e sem combustível para chegar de barco à cidade. Balsas usadas em garimpos foram transformadas em abrigos para pessoas doentes.