NOTÍCIAS
24/03/2014 16:52 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:13 -02

Mujica adia novamente reunião com Obama nos EUA

AP
FILE - In this Oct. 27, 2011 file photo, Uruguay's President Jose Mujica attends a press conference at the presidential residence in Montevideo, Uruguay. Mujica's government plans to take a step beyond legalizing marijuana. It wants to sell it. Local news media and lawmakers report that the government plans to send a bill to Congress on Wednesday that would legalize marijuana sales as a crime-fighting measure. Only the government would be allowed to sell the marijuana cigarettes, and only to adults registered as users. (AP Photo/Matilde Campodonico, File)

O presidente do Uruguai, José “Pepe” Mujica, disse nesta segunda-feira (24) que não irá à reunião marcada para 12 de maio com Barack Obama.

“Estou 80% decidido a não ir porque estamos em ano eleitoral e acho que não será conveniente”, explicou em entrevista à rádio En Perspectiva. O encontro entre os dois líderes estava previsto para o ano passado, mas foi adiado por “questões de agenda”.

Leia também: Uruguai aceita receber presos de Guantánamo

Mujica também negou nesta segunda que tenha aceitado dar refúgio aos presos de Guantánamo em troca da libertação, por parte dos Estados Unidos, de três cubanos condenados por espionagem. “Eu nunca impus nenhuma condição de nada”, afirmou.

O presidente uruguaio disse ainda que há no mínimo cinco presos de Guantánamo que vão viver no Uruguai, quatros sírios e um palestino. “São sírios, e como a Síria está em guerra, não podem voltar por razões de segurança. O mesmo acontece com o cidadão palestino”, explicou Mujica.

Segundo ele, há empresários uruguaios dispostos a dar trabalho aos presidiários acolhidos. “Não prestar ajuda aos presos de Guantánamo seria uma violação flagrante de direitos humanos”, disse Mujica.