NOTÍCIAS
19/03/2014 19:18 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:35 -02

PMs que arrastaram mulher no Rio não a viram cair por culpa da sirene, diz advogado

Wilton Júnior/Estadão Conteúdo

O advogado Jorge Carreiro Mendes, que defende o policial Rodney Miguel Archanjo, um dos acusados de arrastar Cláudia Silva Ferreira por 350 metros em uma viatura da PM no Rio, disse os policiais não perceberam que a porta estava aberta por causa da sirene do veículo. "Prezaram pela agilidade porque queriam salvar a vida dela", disse.

Antes do acidente, diz o defensor, moradores tentaram abrir a porta traseira da viatura para acompanhar a vítima, que havia sido baleada. Segundo Mendes, os PMs fecharam a porta e a vítima estava viva antes da saída da viatura.

"As pessoas da comunidade ficavam forçando para entrar na viatura, a fim de ir junto com ela para o hospital. A viatura não podia carregar ninguém. Eles estavam no afã de salvar a dona Claudia. Eles queriam sair dali o mais rápido possível para levá-la para o hospital. Eles baixaram a tampa e pensaram: 'está fechada'. Só que no meio do caminho, com a sirene ligada, não deu para perceber que a tampa abriu", afirmou Mendes, em declarações reproduzidas pela Agência Brasil.

Leia também: Tiro matou mulher arrastada por viatura da PM no Rio de Janeiro, diz laudo

Leia também: Baleada, arrastada, morta: a tragédia de Claudia e a relação do morro com a Polícia Militar do Rio de Janeiro

A justificativa para os PMs não terem colocado Claudia no banco traseiro é de que o mesmo estaria ocupado por armas e coletes. Os três policias acusados pela morte de Cláudia chegaram na tarde desta quarta-feira para prestar depoimento na delegacia de Madureira, que investiga o caso. Eles estão presos em Bangu 8 e aguardavam a chegada de um oficio para serem levados à delegacia com escolta, informou Mendes. A Polícia Civil afirmou que enviou o documento, mas não para Bangu 8 e sim para o Batalhão de Rocha Miranda. A explicação é que os três estão à disposição da PM e não da Justiça.

O advogado José Ricardo Brito, que defende outros dois policiais militares que participaram da operação no domingo, afirma que o tiro que matou a auxiliar de serviços gerais pode ter partido de bandidos. Segundo ele, o primeiro-tenente Rodrigo Boaventura, que comandava a operação no domingo, e o sargento Zaqueu de Jesus Bueno trocaram tiros com cerca de 20 bandidos. "A operação era legal e os policiais não partiram da mata", afirmou.

Seus clientes estão soltos, trabalhando normalmente no 9º Batalhão da PM, em Rocha Miranda. Eles estão na 29ª Delegacia de Polícia (Madureira) para prestar depoimento como testemunhas. A versão é diferente da relatada pelos familiares. Segundo o irmão de Cláudia, Julio César Silva Ferreira, não houve troca de tiros com bandidos. Os policiais teriam vindo da direção da mata atirando.