NOTÍCIAS
19/03/2014 16:52 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:35 -02

Aécio Neves cobra Dilma Rousseff sobre compra suspeita de refinaria nos EUA pela Petrobras

Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

O senador Aécio Neves (PSDB) publicou mensagem na tarde desta quarta-feira (19), na qual cobrou explicações da presidente Dilma Rousseff a respeito da compra de uma refinaria nos Estados Unidos pela Petrobras, negócio esse que está sendo investigado pela Polícia Federal, Ministério Público e uma comissão externa da Câmara Federal por suspeitas de superfaturamento e evasão de divisas.

O jornal O Estado de S. Paulo trouxe a reportagem sobre o caso nesta quarta-feira. De acordo com a matéria, quando era ministra-chefe da Casa Civil, em 2006, Dilma aprovou a aquisição de 50% de Pasadena, no Texas, nos Estados Unidos, por US$ 1,2 bilhão. Ainda segundo a reportagem, um ano antes da compra da unidade pela Petrobras, a empresa de origem belga Transcor/Astra havia comprado a refinaria por US$ 42,5 milhões.

Para Aécio Neves, a presidente deve explicações por ter aprovado uma “operação extremamente danosa para a Petrobras e para os brasileiros”.

“A compra da refinaria de Pasadena causou prejuízo de bilhões e desde sempre esteve encoberta sobre um nuvem de suspeições. A presidente não tem o direito de justificar-se apenas dizendo ter sido mal assessorada. O Brasil aguarda explicações do governo e da Petrobras sobre quais são os critérios utilizados para tomada de decisões de tamanha importância”, postou o senador, também pré-candidato tucano à Presidência nas eleições de outubro.

Mais cedo, o Palácio do Planalto divulgou resposta à reportagem do jornal, afirmando que a decisão do Conselho de Administração da Petrobras, incluindo Dilma, foi baseada em um resumo “técnica e juridicamente falho”, feito pela diretoria da área internacional da empresa. A falha seria decorrente da omissão de cláusulas, como a obrigatoriedade de comprar 100% da Petrobras, presente na cláusula Put Option. A estatal acabou tendo que adquirir a totalidade de ações da refinaria Pasadena.