NOTÍCIAS
17/03/2014 10:28 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:13 -02

Alimentação volta a puxar alta de preços em março

Wikipédia

O grupo Alimentação, que avançou de 1,17% na primeira semana para 1,59% na segunda semana de março, foi o que mais contribuiu para a aceleração do Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S), divulgado nesta segunda-feira, 17, pela Fundação Getulio Vargas (FGV). O indicador geral subiu 0,13 ponto porcentual, de 0,71% para 0,84% entre os dois períodos. Dentre as quatro classes de despesas que registraram acréscimo em suas taxas de variação, a FGV destacou o comportamento dos itens hortaliças e legumes (de 10,26% para 19,10%), no grupo Alimentação; passagem aérea (de -15,13% para -7,75%), em Educação, Leitura e Recreação; roupas (de -0,03% para 0,48%), no grupo Vestuário; e artigos de higiene e cuidado pessoal (de 0,40% para 0,51%), em Saúde e Cuidados Pessoais.De forma isolada, os itens com as maiores influências de alta entre a primeira e a segunda semana de março foram tomate (de 24,55% para 42,56%), refeições em bares e restaurantes (mesmo com a desaceleração da alta de 0,96% para 0,86%), batata-inglesa (de 5,23% para 27,40%), tarifa de ônibus urbano (apesar de diminuir de 2,06% para 1,45%) e empregada doméstica mensalista (cuja alta passou de 2,04% para 1,68%).Já os cinco itens com as maiores influências de baixa foram passagem aérea (embora tenha diminuído o ritmo de deflação de -15,13% para -7,75%), frango em pedaços (de -0,76% para -2,12%), protetores para a pele (de -2,53% para -1,98%), alimentos preparados e congelados de ave (de -1,33% para -1,69%), e inhame (de - 14,22% para -16,61%).

Projeção de inflação em 2014 sobe para 6,11%

A projeção para a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2014 saltou de 6,01% para 6,11%, de acordo com a pesquisa Focus divulgada pelo Banco Central, nesta segunda-feira, 17. Há quatro semanas, a estimativa estava em 5,93%. Para 2015, a projeção segue em 5,70%. Esse indicador está no mesmo patamar há sete semanas. A previsão de inflação para os próximos 12 meses à frente se manteve em 6,12% pela segunda semana seguida, conforme a projeção suavizada para o IPCA. Há quatro semanas, estava em 6,00%. Nas estimativas do grupo dos analistas consultados que mais acertam as projeções, o chamado Top 5 da pesquisa Focus, a previsão para o IPCA em 2014 no cenário de médio prazo aumentou de 5,89% para 5,99%. Para 2015, a previsão dos cinco analistas recuou de 5,80% para 5,78%. Há quatro semanas, o grupo apostava em altas de 5,86% para 2014 e 5,80% para 2015. Entre todos os analistas ouvidos pelo BC, a mediana das estimativas para o IPCA de março passou de 0,56% para 0,62%. Há quatro semanas, estava em 0,50%. Para abril, a projeção subiu de 0,55% para 0,56%. SelicFoi mantida a previsão para a taxa Selic no fim de 2014 de 11,00% ao ano. Para 2015, a mediana segue em 12,00% ao ano há cinco semanas. A taxa básica de juros está em 10,75% ao ano desde a última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que ocorreu em fevereiro. A previsão para a Selic média em 2014 foi mantida 10,91% ao ano e aumentou de 11,75% para 11,80% para 2015. Há quatro semanas, estavam em 10,97% e 11,79% ao ano, respectivamente. Nas estimativas do grupo dos analistas consultados que mais acertam as projeções, o chamado Top 5 da pesquisa Focus, a previsão para a Selic no fim de 2014 segue em 11,75% ao ano e, para 2015, segue em 12,00% ao ano.IGP-DIA projeção para o Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI) em 2014 saltou de 6,05% para 6,59% na pesquisa Focus realizada pelo Banco Central. Da mesma forma, para o Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M), que corrige a maioria dos contratos de aluguel, a expectativa aumentou de 6,03% para 6,50%. Quatro semanas atrás, o mercado previa para 2014 altas de 5,89% para o IGP-DI e de 5,88% para o IGP-M. Para 2015, a projeção para o IGP-DI caiu/subiu/segue em 5,50% há 16 semanas. Para o IGP-M, continua em 5,50% há nove semanas. A pesquisa também mostrou que a previsão para o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) em 2014 subiu de 5,78% para 5,96%. Há um mês, a expectativa dos analistas era de alta de 5,72% para o índice que mede a inflação ao consumidor em São Paulo. Para 2015, a projeção ficou estável em 5,00%. Há quatro semanas estava em 5,85%. Os economistas também elevaram a estimativa para o aumento do conjunto dos preços administrados - as tarifas públicas - para 2014 de 4,12% para 4,50%. Para 2015, a projeção subiu de 5,00% para 5,35%. Há quatro semanas, as projeções eram de, respectivamente, 4,06% e 5,00%.