NOTÍCIAS
04/03/2014 18:19 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:13 -02

Ucrânia: Obama diz que movimentação militar russa não é sinal de força

ASSOCIATED PRESS
President Barack Obama listens to a question before answering the subject on the ongoing situation in the Ukraine, Monday, March 3, 2014, during his meeting with Israeli Prime Minister Benjamin Netanyahu in the Oval Office of the White House in Washington. (AP Photo/Pablo Martinez Monsivais)

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse nesta terça-feira que a intervenção do presidente da Rússia, Vladimir Putin, na Ucrânia não é um sinal russo de força, mas um reflexo da profunda preocupação dos vizinhos da Rússia com a interferência de Moscou.

Putin negou que as forças armadas russas estivessem diretamente envolvidas na tomada da Crimeia, mas disse que ele tem o direito de enviar forças militares para proteger cidadãos russos.

"O presidente Putin parece ter um conjunto diferente de advogados fazendo diferentes conjuntos de interpretações", disse Obama.

Obama disse que um pacote de ajuda dos Estados Unidos tem o objetivo, em parte, de assegurar que a Ucrânia tenha eleições e de que eleições legítimas mostrem que o país pode se governar sozinho.