NOTÍCIAS
28/02/2014 10:48 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:13 -02

Presidente deposto da Ucrânia culpa Ocidente pela crise e ucranianos se revoltam nas redes sociais

Maxim Shemetov/Reuters

O presidente deposto da Ucrânia Viktor Yanukovich apareceu pela primeira vez desde que fugiu do país em uma coletiva de imprensa na Rússia nesta sexta-feira (28). Ele disse que não foi deposto, mas forçado a deixar o país por ameaça à sua vida e que vai voltar à Ucrânia assim que sua segurança pessoal e de sua família for garantida.

Leia também: Ucrânia em alerta máximo após "invasão russa"

“A crise no país é culpa da política irresponsável do Ocidente de apoiar o #euromaiden (o movimento de protestos na Praça da Independência, em Kiev)”, disse Yanukovich na coletiva. “Nacionalistas e fascistas por trás do que aconteceu na Ucrânia são minoria no país”, afirmou.

A reação dos ucranianos na rede foi imediata. Tanto no Twitter quanto no Instagram, a busca pela hashtag #Yanukovych traz uma série de fotos do presidente deposto na televisão durante a coletiva com dedos mandando ele para aquele lugar.

“Eu nunca tive nenhuma propriedade, contas no estrangeiro. Sou uma pessoa pública, tudo que eu tenho eu declarei”, disse ele em relação a acusações de lavagem de dinheiro e a respeito de seus aposentos luxuosos que foram descobertos no sábado passado.

“Eu pretendo continuar a lutar pelo futuro da Ucrânia, contra o terror e o medo”, disse. “O que está acontecendo agora no país é a ilegalidade, ausência de autoridade e terror. As decisões no Parlamento foram tomadas sob coação. Eu não consigo encontrar palavras para caracterizar esta nova autoridade. São pessoas que advogam a violência – o Parlamento ucraniano é ilegítimo”, afirmou o presidente fugitivo.

Contas

Tanto Áustria quando Suíça congelaram nesta sexta as contas estrangeiras de Yanucovich e seu filho Aleksander. A Áustria foi mais além e congelou outras 16 contas de pessoas ligadas a ele. O governo suíço informou que lançou uma investigação de corrupção contra o presidente deposto.

Na quinta-feira, o primeiro-ministro da Ucrânia disse que 37 bilhões de dólares sumiram dos cofres públicos durante o governo de Yanucovich.

Yanukovich fugiu da capital, Kiev, na sexta-feira da semana passada, depois de manifestantes contrários ao governo terem tomado o controle da capital e do Parlamento.

Invasão

Homens armados tomaram o controle de dois aeroportos na região da Crimeia nesta sexta-feira, o que o governo da Ucrânia descreveu como uma invasão e ocupação por forças russas, levantando tensões entre Rússia e o Ocidente. A frota russa no mar Negro, cuja base fica na região, negou que suas forças estejam envolvidas na tomada dos aeroportos, segundo a agência de notícias Interfax.

Em meio ao caos, o Parlamento da Ucrânia solicitou nesta sexta-feira ao Conselho de Segurança da ONU que convoque uma sessão para discutir a crise no país. O pedido ao órgão da Organização das Nações Unidas (ONU) foi feito para que uma sessão considere os problemas na Ucrânia, à luz de um entendimento de 1993 no qual as grandes potências do mundo concordaram em garantir integridade territorial ao país.

(Com Associated Press, Estadão Conteúdo e Reuters)