NOTÍCIAS
27/02/2014 08:34 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:13 -02

Julgamento do mensalão é retomado após críticas de Barbosa a voto de Barroso

DIDA SAMPAIO/ESTADÃO CONTEÚDO

O expediente no Supremo Tribunal Federal (STF) começa mais cedo nesta quinta-feira (27). A Corte retoma o julgamento do crime de formação de quadrilha pelos réus que ingressaram com embargos infringentes, incluindo o trio petista José Dirceu, José Genoino e Delúbio Soares. Na sessão de quarta, o presidente do STF, Joaquim Barbosa, subiu o tom mais uma vez, ao criticar o voto do ministro Luís Roberto Barroso, que absolveu os mensaleiros.

"Leniência é o que está se encaminhando com a contribuição de Vossa Excelência... É discurso político e contribui para aquilo que se quer combater [corrupção]", disse Barbosa. Foi uma resposta à crítica de Barroso de que as penas fixadas pelo Supremo por formação de quadrilha foram altas e "desproporcionais". "É compreensível a indignação contra a impunidade das classes dirigentes. Mas o STF é espaço de razão pública e não de paixões inflamadas", defendeu Barroso.

Além dele, votaram pela aceitação dos embargos e absolvição dos já condenados os ministros Ricardo Lewandowski, Dias Toffoli e Cármen Lúcia. Apenas o relator dos embargos, ministro Luiz Fux, votou ontem pela manutenção da condenação por quadrilha.

Ainda faltam os votos de seis ministros, mas a tendência é que os petistas sejam inocentados por formação de quadrilha. A sessão desta quinta começa às 10h.